12 de julho de 2020 - 16:39

Cultura

PINK FLOYD TRANSMITE SHOWS A PARTIR DE 17 DE ABRIL - por Gilda Portella

PINK FLOYD anuncia que vai transmitir shows ao vivo e filmagens raras no canal da Banda no YouTube, semanalmente a partir de 17 de Abril.  

Banda abre a série com o grandioso show Pulse; os shows serão exibidos semanalmente, as sextas-feira.

Incrível pra quem gosta e curte rock, pra quem não conhece é uma bela pedida ao iniciar-se nessa trilha sonora

Segue informações de PULSE


Filmado ao vivo em 20 de outubro de 1994 em Earls Court, Londres, Reino Unido. Restaurado e reeditado em 2019 a partir dos mestres de fita originais. A turnê "Pulse" deu origem ao álbum duplo de mesmo nome, ao vivo, do Pink Floyd, lançado em 1995. O disco inclui uma versão completa de "The Dark Side of the Moon", além de outros clássicos da banda , como "Time", "Money", "Wish you Were here" e "Comfortably numb".


0:00
Speak To Me

1:17 Breathe (In The Air)

 4:00 On The Run

 7:43 Time

14:23 The Great Gig In The Sky

19:34 Money

28:30 Us And Them

35:31 Any Colour You Like

38:48 Brain Damage

42:34 Eclipse

44:27 Sorrow

55:37 Keep Talking

1:03:13 High Hopes

1:11:20 Wish You Were Here

1:17:30 Comfortably Numb

Já disponível: A caixa de 'The Later Years' do Pink Floyd https://pinkfloyd.lnk.to/TheLaterYears

OS ÚLTIMOS ANOS Incluído em 'The Later Years', um conjunto de 18 discos (5xCDs, 6xBlu-Rays, 5xDVDs, 2x7 ”) cobrindo o material criado por David Gilmour, Nick Mason e Richard Wright a partir de 1987, com material de áudio e audiovisual não lançado, incluindo os concertos de 1989 em Veneza e 1990 em Knebworth, além de áudio e vídeo atualizados, restaurados e remisturados, singles de 2 x 7 ”, livro de capa dura de 60 páginas, livro de capa dura de 60 páginas, livro de créditos de capa dura de 40 páginas, livro de letras, livro de letras, 3 x programas turísticos de reprodução, envelope de cartão contendo itens de coleção, além de Blu-rays e DVDs em carteiras individuais.

Também disponível: pacote "Destaques" de 12 faixas (2-LP ou 1-CD) https://pinkfloyd.lnk.to/TheLaterYears

 

MEDIAS SOCIAIS PINK FLOYD

Facebook http://smarturl.it/PF_FB

Twitter http://smarturl.it/PF_Twitter

Instagram http://smarturl.it/PF_Instagram

Spotify http://smarturl.it/PF_Spotify

YouTube http://smarturl.it/PF_YT

Apple http://smarturl.it/PF_Apple

#PinkFloydFridays #StayHome #WithMe #PinkFloyd # Remastered #TheLaterYears #LaterYears #PULSE Categoria Música

 

 

 

     


Solidariedade em Tempos de Coronavírus - por Gilda Portella

Diversas ações de solidariedade nos oferecem a oportunidade de adquirirmos novos hábitos quer sejam doando ou recebendo apoio administrativo, contábil, psicológico, advocatício , orientação medica;  há diversas ações sociais e de  caridade com arrecadação de alimentos e materiais de higiene pessoal aos moradores de rua, aos catadores de materiais recicláveis do Lixão de Várzea Grande e Poconé  e aos haitianos. Algumas dessas ações têm sido divulgadas nas redes sociais seguem: NPPP, Lab.au, Mapa do Acolhimento, Rede de Apoio Psicológico, Cruz Vermelha e muito mais. 

O momento pede solidariedade e amor ao próximo. 
Estamos vivendo tempos difíceis e precisamos nos unir, mesmo mantendo a distância.

 

 

Núcleo de Processos, Projetos e Planejamentos – NPPP

 

A UFMT disponibiliza gratuitamente parte de seus professores consultores para apoiar a construção de Planos para Gestão de Crise em Empresas do Estado de Mato Grosso. Mais informações clique no link: https://trello.com/…/3d76ab211121…/framework-de-planejamento

Outras informações:
Endereço: Avenida Fernando Corrêa da Costa nº2367 Campus da UFMT – Boa Esperança.
Faculdade de Administração e Ciências Contábeis – FACC - N3P
Email: ufmtn3p@gmail.com
renatoneder@hotmail.com
https://www.facebook.com/n3pufmt/

 Laboratório da UFMT faz impressão 3D de máscaras para profissionais na ‘linha de frente’ contra o coronavírus

O Laboratório de Arquitetura e Urbanismo (lab.au/fablab) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Sob a coordenação do professor de Arquitetura e Urbanismo, Maurício Oliveira, três pesquisadores Luciana Mascaro, Alexandre Palma e Marcelo Marchior,  três alunos do curso de arquitetura  e mais de 50 voluntários passaram a produzir máscaras para ajudar os profissionais da saúde no combate ao coronavírus. As ‘Face Shields’, como são chamadas, são entregues ao conselho regional de Medicina e distribuídas de acordo com a demanda pelo próprio CRM em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde. Em 02 de abril foram entregue 720 mascaras comemorou Mauricio Oliveira nas redes sociais; os voluntários que trabalharam no projeto das face- Shields agora pretendem fabricar ventiladores pulmonares

https://www.facebook.com/labau2014/

Em decorrência da pandemia da doença Corona Virus Disease - 2019 (COVID-19), em Cuiabá/MT o laboratório de arquitetura e urbanismo - lab.au/fablab - UFMT está promovendo, em caráter de urgência, a produção de protótipos de ventiladores pulmonares  que serão distribuídos  GRATUITAMENTE a fisioterapeutas, dentistas, enfermeiros e médicos da rede pública. 

 

Torixorino cria Respirador Pulmonar

José Rodrigues Sales em 31 de Março de 2020 finalizou e entregou gratuitamente à Secretaria de Saúde de Torixoréu - MT o primeiro ventilador pulmonar.

Para realizar esse grande feito utilizou um Ambu; um motor de vidro elétrico de automóvel, uma fonte antiga de computador; parafusos, braçadeiras e a tinta.

http://www.megapop.com.br/saude/id-590845/primeiro_respirador_pulmonar_em_mt__por_gilda_portella

 

  Mapa do Acolhimento

O Mapa do Acolhimento busca psicólogas, advogadas e psiquiatras no Mato Grosso que estejam dispostas a se voluntariar para acolher mulheres que sofreram violência! Para fazer parte dessa rede nacional de acolhimento, basta clicar em http://bit.ly/queroacolher e se cadastrar.

https://www.mapadoacolhimento.org/?fbclid=IwAR0GTUEVFGx4aZ-iozgKshsCbhxGOSpM9L8Vx5lgX42ZHGK0hI_raEXwWmU

 Rede de Apoio Psicológico

Somos uma plataforma que conecta profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao COVID-19 a psicólogas e psicólogos voluntários dispostos a atendê-los. Se temos uma certeza é de que a solidariedade é nossa maior força neste momento! Junte-se: Médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem: são eles e todos os demais profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao COVID-19. Eles não só são os mais expostos à doença, como também são os grandes responsáveis por salvar milhares de vidas neste momento. Essa é uma crise de proporções gigantescas, e enfrentá-la cara a cara provavelmente será o maior desafio da vida destes profissionais. E se eles estão cuidando de milhares de pessoas, alguém precisa cuidar deles também!

Por isso criamos a Rede de Apoio Psicológico: para conectar profissionais da saúde a psicólogos e psicólogas por todo o Brasil que querem voluntariar seu tempo para ajudá-los. Os atendimentos devem ser online, gratuitos e pontuais.

PROJETO RENASCER - IFMT


SE VOCÊ TEM ÓLEO USADO EM CASA, PREENCHA O FORMULÁRIO AQUI forms.gle/EYXvH2iSKq1a5jYg7
O projeto tem como objetivo, produzir sabão ecológico para ser distribuído na comunidade Renascer, para combater a Covid-19.

COVID-19: Projeto de extensão do IFMT Cáceres produzirá álcool em gel para famílias de baixa renda do município


Como medida de prevenção à Covid-19, pesquisadores e extensionistas do Instituto Federal de Mato Grosso, IFMT, Campus Cáceres – Prof. Olegário Baldo produzirão álcool em gel 70% para distribuição gratuita à famílias em situação de baixa renda do município de Cáceres. O projeto coordenado pelo professor Admilson Costa da Cunha, mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos, foi aprovado esta semana por meio do edital de apoio à ações de extensão, lançado pelo IFMT, para soluções de enfrentamento à emergência de saúde pública decorrente do coronavírus.
Leia mais em: ifmt.edu.br

 SOLIDARIEDADE COM NOSSOS IRMÃOS E IRMÃS HAITIANOS

A Associação de Defesa dos Haitianos Imigrantes e Migrantes em Mato Grosso (ADHIMI-MT) inicia uma Campanha de Arrecadação de Alimentos não perecíveis e materiais de higiene pessoal para atender famílias haitianas neste período de isolamento social. O número de desempregados e dos que possuem renda familiar máxima de 1 a 2 salários é muito grande entre essa população, que hoje estima-se em mais de 2 mil pessoas, somente na capital mato-grossense. As arrecadações serão feitas na Av. Deputado Milton Figueiredo, no bairro Morada do Ouro, em frente ao Parque Massairo Okamura, na modalidade drive thru. Os doadores não precisam descer do carro. Para mais informações, entrar em contato pelo número (65) 98128 7126

 CRUZ VERMELHA

 

A Cruz Vermelha Brasileira filial Mato Grosso iniciou mais uma Ação Humanitária. Nos ajude nesta missão

Sabemos que o momento é de dificuldade para todos mas não se esqueça que sempre tem uma família em estado de vulnerabilidade social!

Faça a sua parte, seja solidário!

 FÓRUM POP RUA MT - Fórum de População de Rua de Cuiabá/MT

Nossa Campanha pelo povo da rua de Cuiabá se mantem e permanecerá enquanto necessário! Temos recebido muito apoio e uma rede linda de voluntários está se formando, pessoas animadas, comprometidas com amor no coração estamos fazendo a comida chegar até as pessoas em situação de rua de Cuiabá!!! Mudamos nossa forma de receber recursos financeiros e encerramos a vakinha on line e receberemos doações nas contas bancárias de uma de nossas coordenadoras, a querida Maria Aparecida! Compartilhe, divulgue, colabore!

CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO LIXÃO DE VÁRZEA GRANDE E POCONÉ 

Em função da Pandemia de COVID-19 que nos aflige, por incentivo do Ministério Público do Trabalho, os catadores de materiais recicláveis do Lixão de Várzea Grande, da @asscavag e da COOPONÉ estão em campanha para arrecadação de recursos para a compra de cestas básicas, garantindo o sustento das famílias dos catadores, atualmente sem renda em função do fechamento das fábricas de reciclagem. Junte-se a nós você também. Apoio: @ecolog @seessaruafosseminhaifvgd


O MT-Hemocentro precisa da sua doação.

Porém agora as doações são agendadas! 
Ligue 65 3623-0044 e agende sua doação.
Postos Interior : Todas Unidade de Coleta e Transfusão
Água Boa (066)3468-5510
 Alta Floresta  (066)98419-3613
 Barra do Bugres  (065) 3361-2702
 Barra do Garças (066) 3407-2756
 Cáceres  (065) 3706-2393
 Colíder (066)3541-4052 R 6807
 Juara (066) 3556-1122
 Juína (066) 3566-1131/99213-4893
 Primavera do Leste (066) 3498-1727/99645-8773
 Rondonópolis  (066)3426-9505/3426-9848
 Sinop  (066)3531-7325/99292-2634
 Sorriso (066)3907-7107
 Tangará da Serra (065)3326-2529

Saiba mais ➡️ https://bit.ly/2xZtxE

Que possamos chegar ao final dessa Quarentena do Coronavírus e  falar como o Capitão no Romance "O Amor nos Tempos do Cólera" de Gabriel Garcia Marques " ..Sim, naquele ano me primaram da primavera e de muitas coisas mais, mas eu, mesmo assim, floresci, levei a primavera dentro de mim, e ninguém nunca mais pode tirá-la de mim..."


BOAS NOTICIAS - Por Gilda Portella

Selecionei só  notícias positivas em relação ao corona vírus, com o objetivo de deixar esses dias mais leves e esperançosos.

Cabe lembrar que o cenário atual é bastante crítico e requer  a manutenção dos cuidados: lavar as mãos, usar  mascaras  e manter o isolamento quando possível. 

Confie, mantenha o equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual.  

 

 

Cinco vacinas para o coronavírus estão em fase de testes em humanos – 10 de Abril

Balanço mostra que há 115 vacinas candidatas. Destas, 73 estão em fase exploratória ou pré-clínica e cinco já vêm sendo testadas em pessoas

https://jornaldebrasilia.com.br/mundo/cinco-vacinas-para-o-covid-19-estao-em-fase-de-testes-em-humanos/

Startups brasileiras desenvolvem sistema que detecta febre a distância – 10 de Abril

Já em operação no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, tecnologia usa algoritmos de reconhecimento facial para escanear o rosto e medir a temperatura

https://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/noticia/2020/04/startups-brasileiras-desenvolvem-sistema-que-detecta-febre-distancia.html

OMS oficializa Fiocruz como laboratório de referência nas Américas -  09 de abril

https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/2020/04/09/oms-oficializa-fiocruz-como-laboratorio-de-referencia-nas-americas

Funcionários da equipe Mercedes de F1 criam aparelho respiratório mais eficiente - 09 de Abril

https://www.cnnbrasil.com.br/esporte/2020/04/09/funcionarios-da-equipe-mercedes-de-f1-criam-aparelho-respiratorio-mais-eficiente

Picos do Himalaia voltam a ficar visíveis na Índia com redução de poluição... - 09 de Abril

https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2020/04/09/picos-do-himalaia-voltam-a-ficar-visiveis-na-india-com-reducao-de-poluicao.htm

Mais de 300 mil pacientes já estão curados do Coronavírus no mundo - 08 de Abril

https://www.folhavitoria.com.br/geral/noticia/04/2020/mais-de-300-mil-pacientes-ja-estao-curados-do-coronavirus-no-mundo

Covid-19: médicos voluntários criam site para consultas gratuitas - 08 de Abril

Ideia é atender e monitorar pacientes com sintomas do novo coronavírus por meio da telemedicina gratuita para evitar ida aos hospitais

https://www.metropoles.com/colunas-blogs/janela-indiscreta/covid-19-medicos-voluntarios-criam-site-para-consultas-gratuitas

 

https://missaocovid.com.br/

Fiocruz-PE desenvolveu teste caseiro para covid-19 – 08 de Abril

Novo kit já começou a ser utilizado na última segunda (6) em unidades de saúde no estado

https://www.leiaja.com/noticias/2020/04/07/fiocruz-pe-desenvolveu-teste-caseiro-para-covid-19/

O estudo da Prevent Senior que já curou 300 pessoas com cloroquina - 08 de Abril

Operadora usa remédio em estágios iniciais da covid-19 e diz que 300 pacientes já tiveram alta. "Dados trazem esperança", diz diretor

https://exame.abril.com.br/negocios/tudo-o-que-se-sabe-sobre-a-pesquisa-da-prevent-senior-com-cloroquina/

 Unesp produz e fornece antisséptico gratuito no interior de São Paulo – 02 de Abril

Produto, recomendado pela OMS, tem melhor custo-benefício e mesma eficácia que o álcool em gel 70% para prevenir o novo coronavírus

https://noticias.r7.com/saude/unesp-produz-e-fornece-antisseptico-gratuito-no-interior-de-sao-paulo-02042020

Após se curar da Covid-19, mulher abre perfil em rede social para conversar e acalmar pacientes da doença no RN  - 01 de Abril

Fotógrafa potiguar Isadora Aragão, de 28 anos, foi uma das primeiras pacientes diagnosticadas com o novo coronavírus no estado potiguar.

https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2020/04/01/apos-se-curar-da-covid-19-mulher-abre-perfil-em-rede-social-para-conversar-e-acalmar-pacientes-da-doenca-no-rn.ghtml

Camada de ozônio está se recuperando graças ao Protocolo de Montreal... 31 de Março

A cooperação internacional em diminuir o uso de produtos químicos que destroem a camada de ozônio está ajudando na sua recuperação. A constatação é de um estudo científico publicado pela revista científica Nature.

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2020/03/31/camada-de-ozonio-esta-se-recuperando-gracas-ao-protocolo-de-montreal.htm

 USP desenvolve rodo capaz de matar bactérias e até o vírus da Covid-19 - 31 de Março

Aparelho desenvolvido pela USP usa uma luz especial que descontamina pisos e foi cedido para a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos

https://noticias.r7.com/saude/coronavirus/usp-desenvolve-rodo-capaz-de-matar-bacterias-e-ate-o-virus-da-covid-19-31032020

Coronavírus: Pesquisadores da USP criam ventilador pulmonar para emergências feito em 2 horas e 15 vezes mais barato - 31 de março

O custo estimado do aparelho será de R$ 1 mil - o ventilador mais barato no mercado custa R$ 15 mil, de acordo com a USP. protótipo está pronto e agora está sendo testado e produzido no laboratório. A licença é aberta para os interessados em produzir o ventilador.

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/03/31/coronavirus-pesquisadores-da-usp-criam-ventilador-pulmonar-para-emergencias-feito-em-2-horas-e-15-vezes-mais-barato.ghtml

 Startup abre plataforma de telemedicina para conectar médicos a pacientes - 29 de Março

A brasileira Amplimed criou sua plataforma digital de telemedicina neste mês para agilizar atendimentos e evitar contágios do novo coronavírus em hospitais

https://exame.abril.com.br/tecnologia/startup-libera-plataforma-de-telemedicina-conectar-medicos-a-pacientes/

 

 Maciel Melo, Daniel Barros, Fernando e Rafaela Fernandes, Criaram um site https://thegoodnewscoronavirus.com/ que foi ativado anúncios dia 28 de março e toda a renda das publicidades será revertida para o combate do corona vírus; O site pretende mostrar que existe esperança em meio ao caos

 


Reflexão em Tempos de Pandemia: Observações de Cientistas Sociais. Por Lupita Amorim e M. Filipe Araujo

 

 

Como enxergamos enquanto cientistas sociais em formação os impactos sociais em decorrência da pandemia da covid-19?

 

     O cientista social tem um papel muito importante na compreensão e reflexão das transformações que a sociedade vivencia, a partir disso, realizamos uma análise utilizando o método socioantropológico de observação participante na construção desta matéria. Sendo parte da população pesquisada,tentamos manter um certo distanciamento social, o qual foi um desafio para ambos, pois as vivências observadas nos perpassam, mas acreditamos que isso representa um ganho para a pesquisa científica, uma vez que conseguimos ter um maior aprofundamento para captar as vivências e experiências. Portanto, refletiremos o momento histórico que a nossa sociedade brasileira está passando apoiado em nossas observações.

 No dia 18 de março de 2020, a Câmara dos Deputados Federais aprovou o decreto que reconhece o estado de calamidade pública contra Covid-19 com previsão de duração até o dia 31 de dezembro deste ano.

         O Governo de Mato Grosso determinou ações visando diminuir a transmissão do vírus, garantindo a saúde e segurança da população mato-grossense, as quais foram aprovadas e assinadas por Mauro Mendes, em 16 de Março de 2020.

Acreditamos que essas medidas emergenciais tomadas com objetivo de estabelecer o isolamento social e de manter os serviços essenciais para evitar que o vírus se espalhe, fazem-se necessárias neste momento de crise, entretanto problematizamos aqui como essas medidas chegam para a sociedade.

Permanecer em casa é um privilégio para alguns e a forma mais segura de evitar a propagação do vírus. Aos trabalhadores que tem que se deslocar de casa para desenvolver suas atividades laborais resta que estes redobrem os cuidados e se protejam. Com base na realidade observada questões como essas são levantadas quotidianamente no nosso entorno, indagando se essas medidas de prevenção abrangem as pessoas que integram o grupo de vulnerabilidade socioeconômica, visto que enfrentam maior dificuldade de acesso aos direitos básicos devido às desigualdades sociais.

Existe risco da proposta de isolamento cessar, pelo posicionamento do presidente Jair Bolsonaro que tem defendido o isolamento vertical, referindo-se à COVID-19 como apenas uma “gripezinha”, evidenciado no pronunciamento no dia 24 de Março de 2020, durante uma coletiva de imprensa transmitida em todos os veículos de informação. Mesmo que seu discurso tenha sido “suavizado” em pronunciamentos posteriores, sua posição continua a mesma, a defesa do isolamento vertical, mostrando a não necessidade de diminuir o fluxo de pessoas nas ruas, visando “não parar a economia”. A problemática desse posicionamento está em não cumprir as recomendações feitas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde, pois segundo eles, isolar apenas pacientes de doenças crônicas e idosos não combatem de forma eficiente a propagação do coronavírus.

Enquanto cientistas sociais em formação, propomos reflexões a partir da observação do comportamento e reações das pessoas ao nosso redor em relação a pandemia enfrentada.

Nas observações feitas por Filipe Araujo, de 20 anos, no condomínio em que mora na cidade de Cuiabá, foi possível notar o início da organização dos seus vizinhos e administração no combate da COVID-19.Desde que no município, a partir de 19 de Março de 2020, foram estabelecidas medidas de prevenção pela prefeitura impostas aos cidadãos a administração em conjunto com os moradores do condomínio começaram a se preocupar com o possível contágio da doença. Algumas atitudes foram adotadas pelos condôminos como: deixar veículos estacionados na garagem diminuindo o fluxo de automóveis no condomínio, interdição das áreas comuns destinadas ao lazer, instalação de pontos contendo álcool em gel em elevadores e áreas comuns e afixação de cartazes e disponibilidade de folhetos contendo informações sobre higiene e precauções de contato físico interpessoais.

O que colaborou para que houvesse uma maior aderência do “confinamento” foi a suspensão das aulas nas escolas municipais e estaduais e universidades, em razão disso as pessoas permaneceram em suas residências. Sendo que algumas estão a utilizando o método de Ensino à Distância (EaD) disponibilizando em seus sites as atividades pedagógicas aos alunos para serem cumpridas, visto a incerteza do retorno as aulas.

Notou-se um movimento de organização de solidariedade dos condôminos para arrecadar doações de roupas e alimentos para os trabalhadores dos setores de segurança e limpeza e das empregadas domésticas e faxineiras que trabalham para o condomínio/condôminos. Esse gesto em relação a situação inusitada e atual vivenciada por todos mostra que há uma sensibilidade por parte de alguns dos contratantes em relação aos prestadores de serviço ou empregados, visto que alguns dos trabalhadores que desempenham atividades imprescindíveis tiveram que permanecer exercendo suas funções, aderindo uma redução de carga horária diária ou trabalhando em sistema de rodízio.

Portanto, em sua observação social percebeu-se que esse gesto solidário por parte de algumas pessoas não é suficiente, porém é uma ajuda pontual e necessária. Para precaverem do coronavírus esses trabalhadores precisam de uma perspectiva aprofundada em suas realidades, porque continuam trabalhando, expondo-se aos riscos durante o translado até o seu local de trabalho, mesmo que a administração do condômino garanta a segurança no trabalho providenciando luvas, máscaras e álcool em gel e é ignorado como se dá a continuidade dessas medidas de prevenção na casa desses trabalhadores. As ações conjuntas propostas pela administração do condomínio e moradores deveriam aprofundar-se para uma ação mais concreta de prevenção mantendo a saúde desses prestadores de serviço.

As ações preventivas observadas deveriam ser expandidas para outros condomínios, mas não se soluciona de forma cabal a problemática, pois quem faz o deslocamento para trabalhar não se enquadra na “quarentena” como preconiza a OMS.

Nas observações feitas por Lupita Amorim, de 21 anos, que reside no bairro Pirineu na periferia central de Várzea Grande,  detectou-se que mesmo depois do Governo de Mato Grosso recomendar o isolamento social para evitar a transmissão do vírus, percebeu-se que os moradores da comunidade não estavam tão preocupados, pois a rotina permaneceu inalterada no bairro, quanto a circulação de veículos e  pessoas frequentadoras do comércio local (bares, restaurantes, mercado e salões de beleza) não se atentando as restrições estabelecidas.

Ao observar a rotina dos moradores, registrou-se também às festas privadas organizadas pelos mesmos como comemorações e reuniões religiosas, além de aglomerações desnecessárias nas ruas.

Passados alguns dias o movimento nas ruas diminuiu, e com a suspensão  das aulas o número de pessoas no transporte coletivo foi reduzido drasticamente.Foi observada a diminuição do número de pessoas frequentando diariamente o mercado existente no bairro e que as pessoas estavam mais atentas aos cuidados necessários para se protegerem, mesmo que ainda não tivesse a confirmação de caso de pessoa infectada com o vírus na região.

Se antes os grupos de Whatsapp entre amigos e familiares já era um meio de comunicação e disseminação de notícias, nesse momento se mostrou uma ferramenta essencial para essas funções. Porém,infelizmente também houve a disseminação elevada de notícias falsas (fakenews).

Como as novas informações sobre o vírus e as mudanças inéditas feitas pelos veículos de comunicação de massa em suas programações diárias em níveis nacional e local, a incerteza sobre o futuro cresceu nos moradores do bairro, foi possível reparar reações de angústia, pânico e ansiedade causadas em alguns momentos.

O vírus não elege raça, gênero ou classe, entretanto os efeitos são mais letais nas regiões mais periféricas, diante da possibilidade de se propagar de forma mais rápida por conta dos problemas sociais relacionados aos serviços de negligência de saúde, segurança e saneamento básico. Além de preocuparem se vão receber as medidas básicas que o Estado deveria constitucionalmente fornecer, encontra-se diante dos desafios domésticos, sem garantia de direitos considerados mínimos para a sobrevivência por fazerem parte do grupo de vulnerabilidade socioeconômica, estes que antes da pandemia já lidavam com a falta de qualidade de vida e dificuldades para conseguir empregos, em quarentena precisam encontrar novas formas para sobreviver por causa das situações de injustiças vivenciadas sociais cotidianas.

Após a terceira semana da imposição da quarentena pode-se perceber que os moradores do bairro ainda estão tentando adaptar-se as recomendações de prevenção ao vírus, mesmo com as desigualdades sociais enfrentadas, que se agravaram e levantando o questionamento de quando e como o governo pretende sanar essas disparidades que podem custar vidas.

 Uma das ações governamentais estabelece que alunos da rede municipal de Cuiabá que pertencem a famílias de baixa renda vão receber merenda escolar (que seria destinada aos alunos) durante período de suspensão das aulas, entretanto, na rede municipal de Várzea Grande essa medida não foi adotada, e a merenda destinada a Emeb Eunice Cesar de Mello, localizada no bairro Pirineu, não contemplou as famílias de baixa renda do bairro durante o período de suspensão das aulas.

Outra ação durante essa quarentena foi de oferecer os serviços de rondas policiais nas ruas para fiscalizar e dissipar aglomerações.

A quarentena está sendo um período longo de provações e com todas as implicações socioeconômicas que afetam diretamente os menos favorecidos: Será que as vidas das pessoas mais pobres têm uma menor valoração para o Governo? Temos um grande desafio político enquanto cientistas sociais em apontar, analisar e cobrar ações diretas e imediatas dos nossos representantes para que considerem a dura realidade das periferias e os prejuízos humanos que pandemia está impondo e os desdobramentos sociais agravados pela crise jamais vista em um século de história.

Sendo assim, fica a indagação para o Governo de Mato Grosso e o Estado brasileiro, que até neste momento de enfrentamento da pandemia e isolamento social não fizeram medidas eficazes que cheguem aos grupos mais vulneráveis socialmente.

 

M. Filipe Araujo : Graduando de Ciências Sociais em Licenciatura do 5º semestre da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e integrante da gestão "Resistir para Existir" do Centro Acadêmico das Ciências Sociais (CACIS)
Lupita Amorim:  Graduando de Ciências Sociais em Licenciatura do 7º semestre da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT),  Representante de Estudantes Negras e Negros no Conselho de Política de Ações Afirmativas do PRAE/UFMT e Coordenadora do Coletivo Negro Universitário da UFMT.

E-book Infantil : “Ahhh não! Por que pra casa da vovó não?”

A partir do dia 06 de Abril/2020- por tempo limitado

Disponível no Site da Umanos Editora, como campanha de incentivo à leitura e prevenção.

O livro em formato de E-book com o título:“Ahhh não! Por que pra casa da vovó não?” lançamento da Umanos Editora, foi escrito pela professora Sidnayra Gadelha. A obra tem distribuição gratuita, é só baixar e ler com a garotada, uma publicação direcionada ao público infantil, disponível aos pais, professores, educadores e cuidadores. É só acessar o site e baixar (www.grupoumanos.com.br).

Diante do atual cenário mundial, em que nosso país também está exposto aos riscos do Covid-19, esta obra é uma contribuição de voltada para as crianças,destacando principalmente o papel delas durante esse período em que estão em distanciamento social. Elas, muitas vezes questionam sobre o motivo de não poderem sair de casa, como fazer visitas na casa dos avós. A historinha contada pelo personagem Bento, retrata sobre a importância de entender que este momento não se trata de férias, e sim de um distanciamento, devido ao episódio que está ocorrendo no mundo.

O menino estava acostumado a visitar a vovó Benedita, todo sábado. Mas, de repente ele se vê sem poder visitá-la. E no desenrolar da história, Bento aprende como amenizar a saudade das pessoas que ama e ainda protegê-las contra a infecção pelo novo coronavírus. 

Sobre a autora: Sidnayra Gadelha é formada em Pegadogia pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), especialista em Arte e Ludicidade na Educação Infantil e Ensino Fundamental, Educação Especial e Inclusão e em Mídias Digitais para a Educação. Professora das redes municipais em Cuiabá e Várzea Grande, no Estado de Mato Grosso 

Serviço:

Título do livro: “Ahhh não! Por que pra casa da vovó não?.

Autora: Sidnayra Gadelha

Páginas: 18 / Edição: 1ª - / Formato: E-book/ PDF.

Categoria: Literatura Infantil.

Lançamento: Umanos Editora, Cuiabá: 2020. (www.grupoumanos.com.br)

Distribuição: gratuita, via download no site da Editora

 

Contato:

NELITON GOIS

Diretor de Marketing - Cel: (65) 9 9629-3453

E-mail: neliton@grupoumanos.com.b

 

 

 


Cinquenta Tons de Conto - Por Luiz Renato Pinto

Há um lugar literário – árvores, frutos, riachos, aragens, montes, campos, ravinas – a que o escritor recorre quando lhe furtam as horas do seu dia. Lá o sol está sempre no zênite. Não há tempestades nem sismos.

Lá vivem as personagens do escritor em eterna disponibilidade.

Vive lá também seu desejo.

Lá vivem seus livros ainda não-escritos, suas metáforas sem uso, seus viçosos períodos gramaticais, seu léxico mais raro.

Somente lá.

(BRASIL, Luis Antonio de Assis, 2008, p. 74)

Fico a imaginar, nestes tempos de quarentena, o quanto a rotina está alterada, o que de forma alguma seria inanição, mas uma visão diagnóstica de como temos nos utilizado do tempo aqui no planeta. Para mim, voltar os olhos para os livros não é fuga, preenchimento do tempo, e sim, prolongamento. Por conta dessa nova realidade, me pego a imaginar coisas e saco da estante “Algazarra”, de Santiago Santos, adormecido há um ano e meio desde o lançamento aqui em Cuiabá, com a presença de seu editor, Eduardo Lacerda. Santiago é desses escritores empolgados com a ficção científica, com narrativas curtas que impregnam o leitor de subjetividades.

Talvez meu leitor neste momento associe ficção científica a alienígenas, naves espaciais e coisas do gênero, como eu o fazia até bem pouco tempo. Nunca a vírus intergalácticos que contaminem a população e causem verdadeiro alvoroço. Para que esses elementos (sejam quais forem) constitutivos das narrativas obtenham vida aos olhos do leitor, é preciso que haja o que se convencionou chamar de verossimilhança, cujo uso “tem por foco o imaginário do espectador. As balizas para isso são fornecidas a você pelo acervo das formas e conteúdos narrativos dos seus espectadores. Por exemplo, para muitos brasileiros, estórias de ficção científica são improváveis, inverossímeis (...), coisa de matuto” (CAMPOS, 2016, p. 28).

Santiago compila cinquenta de seus “drops literários” na publicação, veiculados inicialmente pela internet, o que por si só impele o ritmo contemporâneo de publicações do gênero. Quando me refiro ao termo contemporâneo e o associo a narrativas curtas, é inegável que o faça relacionando com um histórico mais recente desse tipo de narrativa. E genealogicamente o associo ao clássico, sem o qual não haveria continuidade, nem mesmo ruptura. “Estou falando do conto contemporâneo, digamos o que nasce com Edgar Allan Poe, e que se propõe como uma máquina infalível destinada a cumprir sua missão narrativa com a máxima economia de meios” (CORTÁZAR, 2017, p. 228).

Dentre os textos que mais me agradaram destaco os de número 11, 16, 20, 21, 24 e o 50. Em “Da mortífera arte das escolhas”, a relação entre cobiça e ruína sustenta a tensão interna da trama e me parece extremamente necessária a reflexão proposta pelo narrador. “Raiane” propõe uma visão gradativa de uma patologia grave a que se submete a protagonista e seu duplo. Neste caso, caracterizado como “uma parte não apreendida pela imagem de si que tem o eu, ou por ela excluída; daí seu caráter de proximidade e de antagonismo. Trata-se das duas faces complementares do mesmo ser” (BRAVO, 2005, p. 263).

“Da poesia do óbito”, por sua vez, propõe um mergulho no momento pelo qual passamos, pois “É como gripe mal curada, que volta e maia aparece numa tosse seca, numa coriza teimosa, num latejo na garganta. Não lembro como começou. Nem quando” (SANTOS, 2018, p.92). Impressionante como de maneira econômica, sem muito detalhamento, o conto nos propõe essa viagem interior pelo que tem de trágico. “Eu, meus filhos e o teto branco” (idem, p. 92). Parece que estamos em um corredor de hospital em plena pandemia. E muitos dos personagens reais em monólogos profundos; pareço ouvir. “... agonizo ouvindo o borbulhar do respirador, quieto e parado para evitar escapar das pontas da coberta da vida (...). Passo a mão nos seus cabelos, largo o respirador sobre o peito, canto baixinho... (idem, p. 93).

“Tia Jerusa” vem carregada de pequenos aforismos, frases curtas aglomeradas que seriam micro contos pela unidade narrativa que apresentam: “Carro não era um maquinário com motor hidráulico e várias pecinhas em funcionamento, era um parente distante do boi que usava armadura”.  E outro: “Árvore era velho que cansava de viver e ficava mais de um ano sem abrir a boca”. Emendado aos anteriores a máxima que dá conta que “Televisão era um caixote que recebia pelo fio da tomada um monte de pessoas do tamanho de bactérias que pintavam na tela as imagens”. E por fim, complementando o parágrafo: “Catarro era coisa ruim que a gente tinha pra dizer e não dizia e acumulava e saía pelo nariz limpando a gente por dentro” (idem, p. 97).

“Apartamento 221, ainda o mesmo” apresenta a figura do ex-marido que aparece oito anos depois e é recebido por quem foi abandonada e lhe oferece um café. Não há nada de especial nessa construção, a não ser pelo “conforto da parede que rasga o olho um do outro” (idem, p. 108). Mas é a revelação de que pai e filho tornam-se cúmplices pelo mesmo crime que joga para o final o conto que fecha o livro, intitulado “BangBang”.

Não se faz justiça com as próprias mãos, a lei nos ensina esse difícil aprendizado. Por isso não cabe juízo de valor acerca da produção literária de ninguém. Exercito isso em meus escritos atribuindo às leituras um mero “gosto”. Percebo que o universo das narrativas de Santiago Santos incorpora elementos de sua visão interior mesclados com a observação do meio aquoso em que se vive. Fecho com as sábias palavras do escritor e crítico Cristovão Tezza que, sabiamente, conclui que:

 

A eventual incidência de obras autocentradas na figura do escritor seria reflexo da gigantesca revolução cultural deflagrada pelo advento da internet e do império da comunicação digital, que afeta não apenas a literatura, mas todo o sistema de representação e exposição pessoal num tempo em que a mínima sombra de hierarquia valorativa já soa como sinônimo de repressão ou preconceito. Assim, procuradores da República com páginas no Facebook, juízes expondo fotos pessoais e jovens escritores escancarando a própria vida em público seriam faces de um mesmo fenômeno de cultura coletiva, de uma nova geração já formada sob o império digital, e não uma exclusividade do sempre restrito mundo das letras (TEZZA, 2018, P. 131).

 

REFERÊNCIAS

BRASIL, Luis Antonio de Assis. ensaios íntimos e imperfeitos. Porto Alegre: L, P & M, 2008.

BREVO, Nicole Fernandez. In: Dicionário de Mitos Literários. 4. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

CAMPOS, Flavio de. Roteiro de cinema e televisão. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2016. 

CORTÁZAR, Julio. Valise de Cronópio. 2. ed. 3. reimpressão. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SANTOS, Santiago. Algazarra. São Paulo: Patuá, 2018.

TEZZA, Cristóvão. Literatura à margem. Porto Alegre: Dublinense, 2018.

 


Por que não se fala de Covid-19 na África? Por Gilda Portella

Os dados sobre o Coronavírus-19 no Continente Africano são poucos. Nas principais agencias de noticias o assunto é escasso e apresenta uma oscilação em relação aos números dos países afetados e total de casos confirmados. O Globo registra mais 42 países africanos com casos confirmados; na sua maioria pessoas que vieram do exterior. Já o Terra, no dia 21 de março, fala em 40 países afetados, o Jornal de Angola apresenta 38 países, e o Observatório da África apresenta um total de 29 países atingidos pela pandemia.

Por que não se fala sobre a pandemia do Covid-19 na África? Invisíveis para quem? Por quê?  Quem não consegue ver que estatísticas não são meros números. São vidas. São vidas negras. E vidas negras importam.

As concepções brasileiras de ciência, de doença, vida e morte são baseadas numa visão eurocêntrica, eugenista, portanto, racistas e misóginas. È uma das faces originadas no percurso da discriminação racial, cicatriz das relações raciais no Brasil. Pode-se dizer que o quadro acima é manifestação necropolítica do racismo institucional.

Qual a destruição que a Covid-19 provocará nas regiões menos preparadas do mundo para enfrentá-lo? Em África, faltam equipamentos e materiais técnicos, unidades de terapia intensiva, médicos, enfermeiros e a rede de proteção social é uma das mais vulneráveis do mundo.

Coronavírus avança na África de acordo com o Globo há mais de 1.200 casos confirmados, sem mencionar as mortes. Para o Terra, são mais de 1.088 casos confirmados e 31 mortes. A situação no continente é de abandono, pois sistemas de saúde são precários e há ampla presença de doenças, como AIDS e tuberculose.

O Jornal de Angola informa que o número de infecções pelo coronavírus em África ultrapassou os 900 casos, com registro de 24 mortes, nas estatísticas recentes sobre a pandemia. O Observatório da Àfrica apresenta somente 350 casos confirmados no continente e omite as mortes.

O filosofo Francês de Martinica, Frantz Fanon, diz que o homem negro não é um homem, é um homem negro. Também por isso, pouco se fala nesta pandemia, os casos africanos e as mortes. Há as pessoas e as não-pessoas. Há Europa branca, centro do poder político e econômico e a África negra, periférica na geopolítica mundial. Nessa exploração desumanizadora – despessoalizadora, não ouvimos, não enxergamos, não falamos dos que não são nossos pares...  

A principal preocupação apresentada nas reportagens é a suspeita de que haja transmissões não detectadas, por falhas e deficiências do sistema de vigilância em saúde dos países africanos. Alem disso, se deve mencionar que o continente foi marcado pela colonização, guerras, misérias e governos autoritários, tal situação gerou um grande número de pessoas vulneráveis. Vale destacar que tais grupos sociais já afetados por ausência de saneamento básico, coleta de lixo, saúde, educação, moradia, sem emprego e alimentação serão os primeiros a se infectarem e a morrerem.

 Há o receio que o surto do Covid-19 se dissemine nas regiões mais pobres, onde o sistema público de saúde mal estruturados, irão rapidamente implodir; o outro temor é que países pobres e incapazes de oferecer serviços básicos para a maioria de suas populações, com economias frágeis, não consigam apoiar seus cidadãos. Tais omissões institucionais e as mortes por elas geradas devem ser denunciadas junto às organizações e cortes internacionais.

O genocídio da população negra será dramático, se não forem tomadas as devidas medidas, que levem em conta as desigualdades no acesso a direitos e serviços, para frear o triste evento do coronavírus tanto lá na África como aqui no Brasil.


Projeto Colcha de Retalhos

O Projeto " Colha de Retalhos" está participando do Edital de Inclusão Socioprodutiva da Fundação Banco do Brasil-2020, visando continuar e ampliar  às ações previstas no projeto. No edital está previsto várias etapas, e uma delas é a elaboração de um vídeo que precisa ter 400 visualizações no YouTube, que vale 3 pontos que será agregado durante a avaliação do Projeto. 
Vamos compatilhar pessoal! Contamos com vocês!
O Projeto “Colcha de Retalhos", executado pela Associação Varzeagrandense Madre Tereza de Calcutá, (AVE-MATER) visa promover a profissionalização e a geração de renda para jovens e mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade socioeconômica, com ações de tecnologias sociais que valorizem o saber e a cultura local, fortalecendo as ações já implementadas (produção de colchas de retalhos) e ampliando a confecção de produtos artesanais colaborativos e sustentáveis (tapetes, jogo americano, almofadas, lingerie e outros)  
As oficinas de confecção de artigos artesanais com o reaproveitamento de retalhos de tecidos serão realizadas semanalmente com o público atendido pelo projeto e terão como base quatro dimensões da tecnologia social, sendo elas: Protagonismo social, Valorização da cultura local, Meio Ambiente e Desenvolvimento Comunitário. 
Diante do exposto, pode-se concluir que o projeto está de acordo com o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 12, que tem como tema “Consumo de Produtos Sustentáveis”, e realiza ações que impactam as pessoas, a comunidade e o planeta, com ferramentas economicamente viáveis, socialmente adequadas e ecologicamente corretas, além de oferecer acompanhamento do desenvolvimento pessoal, profissional e social do público atendido.
Há 15 anos a AVE-MATER desenvolve programas e projetos socioeducativos, que contribuem para a defesa dos direitos da criança e do adolescente e na promoção e autonomia de suas famílias, com ações articuladas e integradas com a escola, a comunidade e a rede intersetorial do município, em sintonia com as políticas públicas e construindo diálogo permanente com o território. Localizada na Vila São João, Várzea Grande-MT, atendendo diariamente 150 crianças e adolescentes que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco social, no contra turno escolar, na faixa etária de 6 a 14 anos, realizando Oficinas de Esporte, Oficinas de atividades artísticas e culturais Oficinas temáticas e lúdicas, Oficinas de Informática, Oficina de Cortes e Costura, Programa de alimentação saudável e Programa de Acolhimento e Orientações as Famílias e a Comunidade.
 
 

Artes plásticas, humor e teatro são opções para o fim de semana

A Casa Cuaiabana recebe nos meses de março e abril a exposição "Achados, arte e sustentabilidade", da artista Janete Hartmann. A mostra traz pinturas feitas com materiais reciclados, que remetem ao campo e à natureza pura, convidando o público a um momento de contemplação.

A abertura será nesta sexta-feira (14.03), às 19h30. Outras atrações culturais do fim de semana são os shows de humor da dupla Nico e Lau e o espetáculo Almê 20 anos, ambos no Cine Teatro Cuiabá. O espaço também será palco da peça Bereu, com o Grupo Cena Onze.

A exposição de artes "Achados, arte e sustentabilidade" fica aberta na Casa Cuiabana até 17 de abril, das 8h às 12h e das 14h às 18h. O nome da mostra busca uma simbologia com os materiais usados, encontrados em calçadas, caçambas, terrenos e dentro de casa.

Janete Hartmann
Créditos: Divulgação

Também na Casa Cuiabana, ocorre neste sábado (14.03) o 2° Encontro de Mulheres Aruandê Capoeira. O evento começa às 15h e contará com roda de conversa sobre a Mulher na Capoeira, oficina de samba de roda com Erica Salles e roda feminina de capoeira e maculelê.

No Cine Teatro Cuiabá, as atrações do sábado (14.03) são a dupla Nico Lau e o Grupo Cena Onze. Com o show "Canhain", os humoristas comemoram 25 anos da história. O Grupo Cena Onze traz ao palco a peça ‘Bereu’, contando um pouco da experiência de mais de dez anos de convivência com mulheres reeducandas de Cuiabá.

No domingo (15.03), André D’Lucca incorpora "Almê 20", um espetáculo comemorativo dos 20 anos da personagem. Na terça-feira (17.03), dentro da programação da Temporada de Filmes, o Cine Teatro Cuiabá exibe "Vermelho Sol", premiado em 2018 nas categorias melhor diretor, melhor fotografia e melhor ator no Festival de Toronto, no Canadá.

Bereu - Grupo Cena Onze
Créditos: Divulgação

Na segunda-feira (16.03), o Cine Teatro Cuiabá recebe o primeiro evento da "Série Encontros com a Cultura", realizado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) para apresentação do planejamento estratégico do órgão e exposição das ações desenvolvidas em 2019. Na ocasião, haverá a palestra "Políticas Culturais e a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: novos desafios para o planejamento e a gestão cultural das cidades", com Cláudia Leitão.

Outras opções em equipamentos culturais sob gestão da Secel são o Museu de História Natural Casa Dom Aquino, Museu de Arte Sacra de Mato Grosso, Residência dos Governadores e a Galeria de Artes Lava Pés (mostra coletiva de fotografia Olhares Cuyaverá).

Serviço

Casa Cuiabana - Rua General Vale, 181, bairro Bandeirantes. Telefone: (65) 3624-2064. Mais informações sobre a exposição (65) 98133 1110 e evento de capoeira (65) 99253 1234. Facebook

Cine Teatro Cuiabá - Avenida Presidente Getúlio Vargas, 247, Centro de Cuiabá. Telefone: (65) 2129-3848, Email: contato@cineteatrocuiaba.org.br, Site , Facebook Instagram

Museu de História Natural Casa Dom Aquino - Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá. O funcionamento ao público é de quarta a domingo, das 8h às 18h. Entrada: R$ 6 (inteira) R$ 3 (meia). Facebook  e Instagram 

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso - Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Aberto à visitação de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. Ingresso R$ 10 e R$5 (meia). Visita gratuita aos domingos. Telefone: (65) 3056-1373, Email: museuartesacramt@gmail.com, Facebook  e Instagram 

Galeria de Artes Lava Pés - Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300.  Funcionamento de segunda a sexta, das 8h às 18h. Telefone: (65) 3613-0232. Email: equipamentos@secel.mt.gov.br

Residência dos Governadores - rua Barão de Melgaço, nº 3565, Centro de Cuiabá. A entrada é gratuita. Aberto à visitação de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às18h. Telefone: (65) 3613-0232. Email: equipamentos@secel.mt.gov.br


Secel promove encontro para debater políticas públicas com a sociedade

O evento será realizado no Cine Teatro Cuiabá, a partir das 19h, e contará com palestra da renomada gestora e pesquisadora cultural Cláudia Leitão

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) promove nesta segunda-feira (16.03) a primeira edição da Série: Encontros com a Cultura, um evento aberto à sociedade para apresentação do planejamento estratégico do órgão e exposição das ações desenvolvidas em 2019.

Será também um momento para gestores, produtores culturais e cidadãos debaterem com a Secel sobre o contexto atual das políticas públicas para a cultura mato-grossense e os rumos a seguir nos próximos três anos. O evento será realizado no Cine Teatro Cuiabá, a partir das 19h, e contará com palestra da renomada gestora e pesquisadora cultural Cláudia Leitão.

“O Encontros com a Cultura consiste em um uma série de diálogos com a sociedade, nos quais vamos ouvir as demandas, esclarecer dúvidas, apresentar as ações desenvolvidas e o planejamento da Secel para o triênio 2020-2022. É muito importante a participação de todos que lutam em defesa da cultura, pois, juntos, poderemos compartilhar informações, levantar demandas e pensar sobre os mecanismos que envolvem o desenvolvimento das políticas culturais”, destaca o secretário Allan Kardec Benitez.

Esta será a primeira edição do encontro, que contará com a palestra ‘Políticas Culturais e a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: novos desafios para o planejamento e a gestão cultural das cidades’. O tema será abordado pela doutora e pesquisadora Cláudia Leitão, reconhecida pela atuação na gestão da Cultura do Ceará, cujo trabalho recebeu o Prêmio Cultura Viva, do extinto Ministério da Cultura (MinC), na categoria Gestão Pública. Ela também foi responsável pela criação e primeira gestora da Secretaria da Economia Criativa do MinC, é consultora em Economia Criativa para a Organização Mundial do Comércio (OMC) e para a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento.

O evento também terá apresentações  musicais dos Pontos de Cultura Instituto Ciranda e do Arte Cidadã.

Inscrições: O evento é aberto ao público geral, mas a organização pede que sejam feitas inscrições prévias para melhor acomodação dos participantes. A inscrição pode ser feita online, no link a baixo.

Mais informações: (65) 3613-0233 ou  spc@secel.mt.gov.br

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf_2J_urcb485NG4DZswx9AbfmCLPE5aTQ2hbpamUprtycKRw/viewform


Classe cultural prestigia entrega da obra e aprova revitalização

Artistas, produtores culturais, autoridades e público da Casa Cuiabana prestigiaram a entrega da obra de revitalização do equipamento cultural, nesta segunda-feira (02.03), em uma noite marcada por um clima de satisfação e nostalgia. Entre eles, o cantor e compositor Pescuma, que se apresentou com Henrique, Claudinho e convidados.

“É uma honra estar novamente neste palco que eu já pisei tantas vezes, esse patrimônio da cultura mato-grossense, agora lindo e revitalizado. Casa Cuiabana é tradição, ponto de encontro, história. Artistas, população, todos ganham com a entrega da obra”, disse o cantor.

Nessa atmosfera de sarau, com encontro de músicos de todos os gêneros no palco do teatro de arena, e apresentações de dança pelo quintal, o governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), Allan Kardec Benitez, fizeram a entrega oficial da obra e apresentaram o novo projeto de ocupação do espaço cultural.

“Este é um trabalho de resgate e valorização da cultura mato-grossense. Revitalizar a Casa Cuiabana é preservar nossa identidade, nossa história, nossas referências. E cuidar da cultura também é fazer o Estado avançar”, enfatizou o governador.

O clima de nostalgia marcou uma das integrantes da família que foi proprietária do imóvel. Pensylvânia Borralho é da terceira geração, ela conta que ouvia histórias do pai que passou muitas tardes visitando a tia naquele quintal cuiabano. “Estou emocionada por ver que o intuito da família está sendo cumprido, que é esse uso do espaço para a valorização da cultura cuiabana”.

Em 2019, o espaço recebeu um público de 7.137 pessoas, alcançadas em eventos, cursos, exposições, ensaios e visitas. Durante a cerimônia de entrega, o secretário Allan Kardec apresentou o novo projeto de ocupação do espaço. A proposta é fazer da Casa Cuiabana um equipamento destinado à criação artística e co-working.

Além de ser aproveitado para os eventos e projetos de formação cultural, haverá salas equipadas para ensaios e apresentações de teatro e de dança e estúdio de som para gravação de música, além de todas as salas que receberão ar condicionado. Outra melhoria será no teatro de arena, que receberá uma tenda para ser usada em shows abertos, cobrindo a área quando houver necessidade.

“Estou muito feliz com o resultado, a Casa Cuiabana é um espaço emblemático, presente na memória da população cuiabana, é a casa da comunidade, dos artistas. Com a entrega da obra as ações aqui serão potencializadas”, disse o secretário Allan Kardec.

Benedito Nunes

Em memória ao artista plástico Benedito Nunes, que faleceu nesta segunda-feira (02.03), mesmo dia de entrega da obra de revitalização da Casa Cuiabana, seu legado e importância para a cultura mato-grossense foram lembrados na cerimônia. E duas obras (uma pintura e uma escultura) do artista ficaram expostas no jardim da Casa Cuiabana, durante todo o evento.

“Hoje foi um dia feliz e triste para a cultura mato-grossense. Entregamos mais um patrimônio cultural revitalizado, a Casa Cuiabana, tradicional espaço público de resistência cultural, no mesmo dia em que perdemos um grande artista, Benedito Nunes, vanguarda da resistência nas artes plásticas, cuja obra é um legado de sua presença entre nós. A reinauguração da Casa Cuiabana se torna, assim, um tributo à vida e obra deste grande cuiabano”, destacou o secretário Allan Kardec.

Abalados com a notícia da morte do amigo, artistas e produtores culturais decidiram ali mesmo pela realização de um sarau em prol da família. A data ainda será definida e o evento será na Casa Cuiabana. Até o momento, 20 obras já foram doadas para um leilão.

Obra na Casa Cuiabana

Após 10 anos sem receber uma obra completa de manutenção predial, a Casa Cuiabana foi revitalizada, com melhorias realizadas na infraestrutura. Entre elas a acessibilidade, instalações elétricas, hidráulica, esquadrias, cobertura, banheiros, forro, pavimentação, piso antiderrapante, praça, substituição do madeiramento e jardim. Uma das mudanças perceptíveis é a nova pintura, em tom de amarelo na fachada, que busca trazer a cor original da edificação, construída no século 18.

Patrimônio histórico e cultural desde 1983, vale ressaltar que a obra de revitalização respeitou e preservou as características originais do prédio. A novidade é o acesso à internet, que era uma demanda antiga dos usuários do espaço cultural, e agora será disponível para o desenvolvimento dos projetos.

Mesmo com a obra, que durou em torno de quatro meses, a Casa Cuiabana ficou aberta, e manteve a programação de eventos e projetos de formação de música, teatro, dança, informática, artes plásticas e capoeira.

Programação

Para o mês de março, há três eventos programados: Feira de Mulheres Empreendedoras (07.03), evento de capoeira (14.03) e Feira do Vinil e de Antiguidades (21.03), todos aos sábados. Também está aberta para o público a exposição Irigaray – Arte – Ikuiapá, com obras inéditas do artista, até o dia 07 de março.


Edital é prova de que esta gestão dá atenção especial aos municípios, afirma secretário

As inscrições para o edital de incentivo a ações culturais nos municípios de Mato Grosso, o Afluentes MT, que vai premiar com R$ 50 mil 18 iniciativas em todas as regiões do Estado, seguem abertas até o dia 13 de março. Ao todo, serão R$ 900 mil investidos em projetos culturais de vários seguimentos.

Artes Cênicas (teatro, dança e circo), Artes Visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, fotografia, instalação, artesanato), Música, Literatura, Audiovisual e/ou Cinema. Essas são as linguagens sugeridas pelo edital, que vai contemplar projetos voltados às Culturas Populares e Tradicionais, Cultura LGBTQIA+, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, Culturas Indígenas, Patrimônio Cultural e Bibliotecas, dentre outras.

 

“Serão premiados três projetos em cada uma das seis regiões de Mato Grosso. As prefeituras podem fazer seus projetos em qualquer linha de pensamento na área da cultura. Nossa motivação é valorizar esse trabalho prévio do Plano Municipal de Cultura, realizado pelas prefeituras, e incentivar as que ainda não se organizaram”, ressalta Paulo Traven, secretário adjunto de Cultura, Esporte e Lazer. 

As inscrições devem ser realizadas via protocolo na Secel-MT, em Cuiabá, no horário comercial, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Ou ainda, via correios, de acordo com as orientações do EDITAL. Veja o endereço da Secel no serviço, ao final desta matéria.

“O edital Afluentes MT foi criado para incentivar os municípios a fazerem seu planejamento na área da cultura e criarem o CPF da Cultura (Conselho, Plano e Fundo Municipal de Cultura). Aqueles municípios que já se organizaram terão uma vantagem, sairão 30 prontos na frente dos concorrentes. E os municípios que ainda não se organizaram, claro, também poderão participar”, explica Traven.

Vale ressaltar que os projetos selecionados deverão ser executados, obrigatoriamente, pelo órgão gestor da cultura no município (Secretaria, Departamento, Coordenadoria Municipal de Cultura), que serão o responsáveis legais pela elaboração e execução dos projetos inscritos.

“Após o dia 13 de março, data limite para as inscrições, uma comissão avaliadora vai selecionar os projetos mais bem elaborados e, com os vencedores, o Governo do Estado fará um convenio direto com a prefeitura inscrita. Nesta gestão, estamos dando uma atenção especial aos municípios, esse edital é uma prova disso”, complementa Traven.

A propósito, o Plano Municipal de Cultura  é um documento formal que representa a política de gestão cultural de uma cidade. Em resumo, um planejamento feito com base em consulta pública, com duração de dez anos.

“É fundamental para a cultura mato-grossense que os municípios tenham suas ações planejadas e a Secel é parceira. E assim teremos cada vez mais ações de incentivo, nesse sentido”, completa Traven.  

Serviço

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-0233.


Edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios sugere diversas áreas temáticas

O MT Afluentes segue aberto para inscrições até o dia 13 de março e deve contemplar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas

Com inscrições abertas até o dia 13 de março, o edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios, o MT Afluentes, tem por objetivo selecionar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas e áreas temáticas.

As inscrições devem ser realizadas via protocolo na Secretaria de Cultua, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), em Cuiabá, no horário comercial¸ de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Ou ainda, via correios, de acordo com as orientações do EDITAL. Veja o endereço da Secel no serviço, ao final desta matéria.  

Artes Cênicas (teatro, dança e circo), Artes Visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, fotografia, instalação, artesanato), Música, Literatura, Audiovisual e/ou Cinema. Essas são as linguagens sugeridas pelo edital, que vai contemplar projetos voltados às Culturas Populares e Tradicionais, Cultura LGBTQIA, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, Culturas Indígenas, Patrimônio Cultural e Bibliotecas, dentre outras.  

Vale ressaltar que o projeto selecionado deverá ser executado, obrigatoriamente, pelo órgão gestor da cultura no município (Secretaria, Departamento, Coordenadoria Municipal de Cultura), que será o responsável legal pela elaboração e execução do projeto inscrito.

“Este edital é um marco para a nossa gestão, que tem trabalhado com prioridade nas políticas públicas de fomento e valorização das ações e projetos culturais desenvolvidos nos municípios. Defendemos a descentralização dos recursos como uma forma de fortalecer a gestão da cultura e ampliar o acesso às artes e manifestações culturais para a população”, explica Allan Kardec, secretário de Cultura, Esporte e Lazer.

Para facilitar, separamos aqui algumas definições de áreas temáticas sugeridas pelo edital. Além dessas, exeintem outras linhas que serão contemplada pelo MT Afluentes, bem detalhadas no edital. Confira! 

Culturas Populares e Tradicionais

O edital irá contemplar propostas que envolvam um conjunto rico e heterogêneo de expressões simbólicas, econômicas e políticas, constantemente recriadas e dotadas de referências importantes para a construção de identidades locais, regionais ou nacionais por indivíduos, grupos e comunidades, contribuindo para sua continuidade e para a manutenção dinâmica das diferentes identidades culturais.

Cultura LGBTQIA+

Aqui as propostas devem ser relacionadas à promoção das manifestações culturais com temática sobre diversidade sexual e identidade de gênero, que colaborem com a luta por igualdade de direitos, enfrentamento da violência por meio da educação e o incentivo às práticas artístico-culturais realizadas por tais grupos sociais.

Culturas Negras, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

Propostas que favoreçam o reconhecimento de manifestações culturais afro-brasileiras (culturas negras) como ferramenta para o enfrentamento ao preconceito e à discriminação, no sentido de potencializá-las e fomentá-las no processo de construção da sociedade brasileira.

Ainda, propostas que visem a valorização de grupos e comunidades tradicionais de matriz africana que se reconheçam como tais, que possuam formas próprias de organização social, ocupem e usem territórios e recursos naturais como condição para sua produção cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas geradas e transmitidas pela tradição.

Culturas Indígenas

O edital vai contemplar propostas voltadas para o fortalecimento das expressões culturais das populações indígenas em todas as suas formas e modos próprios, contribuindo para o fortalecimento e para a continuidade dinâmica das diferentes identidades étnicas e culturais no Brasil.

A ideia é difundir as expressões das culturas indígenas para além dos limites de suas comunidades de origem.

Territórios e Memória

Propostas que visem, por meio da museologia social, à promoção do patrimônio material e imaterial e que priorizem o reconhecimento, à valorização e à proteção da memória social de grupos, de coletivos, de povos e de comunidades que se diferenciam por características históricas e culturais nos vários territórios.

Bibliotecas

O edital vai contemplar propostas de valorização e fortalecimento das bibliotecas como espaços de convivência e estímulo à leitura, a literatura e a criação e produção cultural.

Serviço

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-0233


Secel publica lista de inscrições habilitadas em edital de Literatura

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) divulgou a lista de inscrições habilitadas e inabilitadas para concorrer ao edital Estevão de Mendonça de Literatura Mato-grossense. A lista está publicada no site da Pasta, e o resultado preliminar cabe recurso. Com 123 projetos inscritos, serão contemplados 30 projetos, com um investimento de R$ 600 mil da Secel.

Conforme prevê o edital, as inscrições foram avaliadas numa primeira fase pela Comissão de Habilitação, que verificou os documentos e requisitos exigidos para participar do processo. Os proponentes que tiveram os projetos inabilitados terão cinco dias para recorrer e apresentar as correções apontadas pela Comissão. Para conferir a lista acesse cultura.mt.gov.br/editais, ou clique AQUI.

O prêmio será dividido entre 15 projetos de literatura, nas categorias poesia, juvenil, infantil, revelação e prosa (inclui romance, conto, crônica, peça teatral e novela) e mais 15 projetos de fomento à leitura (contador de história, mediador de leitura, formação de mediadores e oficina literária).

O edital ainda prevê uma avaliação da comissão técnica de seleção, que será composta por profissionais de reconhecido mérito e competência no meio literário, acadêmico e cultural, com representantes da Secel e de instituições de ensino superior. O resultado final será divulgado em 06 de março de 2020.

Todos as informações referentes ao edital estão publicadas e disponíveis no site www.cultura.mt.gov.br/editais

Serviço:

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-9240/9230

 

 

Expectativa de reabertura do Museu Nacional emociona pesquisadores

Equipes trabalham intensamente na busca e restauro de peças do acervo

O bioarqueólogo do Museu Nacional Murilo Bastos diz que é difícil de chorar, mas confessa que “estará em lágrimas de emoção e felicidade” quando o prédio e o acervo da instituição estiverem totalmente recuperados. O prédio e importantes peças de seu acervo foram destruídos em um incêndio em setembro de 2018.

É assim que Bastos resume o empenho dos pesquisadores para recuperar o acervo do espaço cultural, instalado na Quinta da Boa Vista, na zona norte do Rio. Desde a data do acidente, ele se dedica a esse trabalho. “O que a gente mais quer aqui é ver esse prédio e toda a estrutura do museu, linda, como a gente gosta, como o Brasil e a nossa população merecem.”

Em entrevista  à Agência Brasil, ele afirma que, enquanto tiver coisa para tirar, todos estarão ali, com a mesma energia, com a mesma força com que começaram o resgate porque querem ter a certeza de que recuperaram tudo que foi possível.

Bastos mostra-se ansioso pela volta ao funcionamento do Museu Nacional em sua plena capacidade, mas antes disso, destaca que é intenso o trabalho dos pesquisadores para retirar dos escombros o que ainda tem de peças e fragmentos do acervo. “Como profissional, o que posso dizer é sobre a entrega do museu de volta ao público, para exibições, para exposições, e a nossa área de pesquisa, próxima de tudo isso. Vai ser ótimo para todo mundo, vai ter uma sinergia.”

O bioarqueólogo enfatiza que existem vários níveis de dificuldade e que a maior é que ninguém estava acostumado a lidar com o acervo do museu, o material queimado. “Então, é muito difícil identificar as peças, é um desafio constante e um aprendizado de tudo aquilo que já fizemos e tudo que estamos fazendo agora.”

Coleções

 Pesquisadores trabalham na coleta de material de acervo do museu misturado nos escombros do prédio do Museu Nacional incendiado em setembro de 2018
O minucioso trabalho de busca de fragmentos de peças do acervo em meio aos escombros - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os pesquisadores e as equipes de apoio estão empenhados, dia após dia, em recuperar o acervo do museu. Ângela Buarque, que já foi antropóloga da instituiçao e hoje é pesquisadora colaboradora, comanda a equipe responsável pela recuperação de peças e fragmentos da exposição Entre Dois Mundos: Franceses de Paratitou e Tupinambás de Rouen, que mostrava o encontro das populações nativas, que na época eram os Tupinambás da laguna de Araruama, hoje Região dos Lagos do Rio de Janeiro, e os franceses que chegavam no local em busca de pau-brasil e outros produtos.

“É sempre um momento tenso, emocionante quando se encontra, às vezes, uma pequena peça, porque aí se pensa que pelo menos um registro vai ficar. Desde o início de janeiro, estamos aqui e encontramos apenas três minúsculas pecinhas”, conta Ângela.

Segundo a antropóloga, estavam na exposição peças que comprovavam a presença francesa no território. “Nesse momento de coleta, é, principalmente, o material de pequeno porte: miçangas minúsculas, centenas delas, que estavam nas vitrines, derreteram. Hoje estamos à cata desses elementos. Como as miçangas são muito pequenas, usamos uma peneira também pequena.”

Ângela acrescenta que a exposição foi montada para ser temporária, mas acabou se estendendo e já estava aberta à visitação pública há 10 anos, na chamada Sala dos Embaixadores. “Era um material muito significativo e dialogava com este momento [do século 16]”.

Durante as pesquisas que ela fez sobre este período, foram encontradas peças que não faziam parte da exposição e que, por isso, não foram destruídas pelo fogo.”Nós temos um laboratório que funciona no Horto – a maior parte das minhas pesquisas está na Casa de Pedra. A gente ainda tem muita coisa que, em algum momento, pode voltar e fazer parte de uma exposição”, diz a antropóloga. As peças que estavam no museu, porém. Já eram restauradas e se perderam.

De acordo com a antropóloga, esse contato entre os indígenas e os franceses acabou levando um grupo de Tupinambás para Rouen, na França, onde alguns se estabelecera. Outros voltaram para o Brasil.

Egípcia

Uma coleção que está sendo recuperada é a egípcia, muito procurada pelo público antes do incêndio. Marina Buffa Cesar e sua equipe buscam diariamente as peças e pequenos fragmentos de um acervo importante para a humanidade, que ela conhecia bem como pesquisadora. Ela passa os dias peneirando os escombros em busca da recuperação da coleção egípcia. “A gente tem recuperado muita coisa que, em alguns momentos, achava que não fosse recuperar. É emocionante. Tem momentos que a gente tem sorriso no rosto porque está conseguindo salvar muita coisa do Museu Nacional. Para mim, é gratificante.”

A coleção egípcia era uma exposição permanente do Museu Nacional, e a perspectiva é que retorne quando o espaço for reaberto. “Temos material que não é relacionado apenas às múmias, mas também aos shabtis e [peças] de bronze que eram únicos e estão sendo recuperados. Vamos trazer de volta para a sociedade tanto acadêmica, quanto para o pessoal que gosta de visitar o Museu Nacional”, acrescenta Marina.

O bioantropólogo Murilo Bastos destaca que os pesquisadores trabalham em uma grande rede de apoio entre eles. “Tem dia que um está mais triste que o outro, mas todos estão juntos para trabalhar e dar conta do serviço.”
Segundo Bastos, todos os dias eles lembram um pouco do que aconteceu. “A gente conhecia o prédio antes, os lugares, as salas. Quando entra, lembra como era e vê como ficou. Ao mesmo tempo, vem a imagem do incêndio, mas também a nossa cabeça meio se acostuma com aquilo para se adaptar e ter forças para continuar”, conclui.


Programação Tabuleiro da Pérola Negra 23 a 25/01 - Gilda Portella

 

 


O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA - Gilda Portella

O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA


O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA
CASA/CORPO 

Ensaio experimental a partir do conceito de residência de arte contemporânea com cinco artistas, a acontecer no Ateliê Livre da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, com sede em Cuiabá, Mato Grosso;
Projeto de caráter independente, sem financiamento de nenhuma fonte de recursos públicos, apenas ocupando temporariamente o espaço do ateliê livre da UFMT, que tem em sua bagagem histórica a prática de parcerias temporárias com artistas proponentes;
Projeto de incentivo à arte emergente através da convergência de ações e pensamentos que amplifique a formação, reflexão, produção e teoria de maneira interdisciplinar a partir das temáticas escolhidas;
Espaço temporário de escrita e desenvolvimento conceitual e de projeto, compartilhamento, vivência, experimentação e intercâmbio pautado por encontros, palestras, oficinas e exibições;
Polo agregador entre os artistas residentes e o público quando houver publicação dos resultados da experiência e os encontros temáticos como parte metodológica da experimentação.


Agenda + Artes MalcomPUB - Gilda Portella

Quarta-feira:

The Vinis e P-brother e o melhor do rock e pop rock nacional e internacional.

Entrada Gratuita até às 22hrs

Abertura da Casa às 20hrs

 

 

Quinta-feira:

Especial Capital Inicial e Cazuza com Banda Herois de Brinquedo

Entrada Gratuita até às 22hrs

Abertura da Casa às 20hrs

 

Sexta-feira:

PUB: Rapha Koury + T.C.A tocam Red Hot, Bon Jovi, Maroon 5, dentre outros ícones da música internacional.

E ainda rola as melhores músicas do rock e pop rock nacional.

CLUB: IT’S A TRAP com DJ Danilo Soares – O melhor do Hip Hop nacional e internacional em um set cuidadosamente montado para a ocasião.

 

 

Sábado:

PUB: MP Rock + The Xomanos montaram uma playlist especial! Vai rolar Pearl Jam, Green Day, Nirvana, Creedence, Red Hot, dentre outros ícones do Rock n’ roll.

.

 

 CLUB: 2000 já é Flashback!!!

DJ Cleyton 7 e DJ Edinho Martins trazem as melhores músicas da década de 2000 para a pista do CLUB, porque 2000 já é Flashback.

 

 


Festival Braseiro - Vendas do lote promocional - Gilda Portella

Salve esta data: 25.01 - Abertura das vendas do lote promocional.

 
Chame os amigos, a família, a namorada, o esposo, chama todo mundo, porque vai ser épico.
Neste sábado ( 25.01), a partir das 14h, teremos um lote promocional e limitado.
 
Se liga:
▶ LOTE PROMOCIONAL: R$230,00
 
🎟 Pontos de venda:
📍 CUIABÁ:
• Loja Celeiro: Alphamall (Alphaville)
• Casas de Festas: shopping Pantanal e Goiabeiras shopping
 
📍 RONDONÓPOLIS:
• Lojas Celeiro
• Associação Braseiro (Rua Sete de Setembro, 1747 - Vila Goulart)
 
Parcelamos em até 3x (aceitamos também débito e dinheiro)
 
🔥 Festival Braseiro Cuiabá
🗓 18.04
🕔 A partir das 12h

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz - por Gilda Portella

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

 André Gorayeb - O GORA, artista de um talento nato, desde os primeiros rabiscos da infância já encantava pelos traços firmes e riquezas de detalhes.

O Gora, Ama o que faz e imprime nos seus desenhos,  grafites e telas uma intensidade de traços, cores, vida, paixão,  leveza, realidade, que surpreendem aos olhos humanos, uma visão do que está além, mas que certamente poderão sentir.

 Pincela a vida e suas perspectivas, retratando no subjetivo, o que seria o belo, o certo e suas oposições.

 O GORA tem uma alma leve, amável,  apaixonada, uma visão do que está além da mediocridade do cotidiano.

Em contraponto a fluidez da criatividade de Gora, Rodolfo Luiz em sua arte estática, nos mostra alem do que os olhos vêem na dinâmica do cotidiano apressado.

Suas imagens nos levam para outro nível de percepção da realidade, alem do meramente visual, nos faz viajar em sua sensibilidade para captar a beleza que estar além do simples olhar. Assim temos neste bazar de artes à leveza do fluir e a força da percepção que se materializa na memória do observador. Tal como uma bela paisagem onde o fluir das águas nos faz percebe a mesma beleza das pedras imóveis que perante as águas ficam mais belas.   

No dia do bazar o artista Andre Gorayeb ressalta que: “será vendidos os quadros da nossa exposição de fotografias com ilustração, desenhos originais de nanquim, lápis de cor e giz, prints em papel especial e fotografias”

Vale à pena conferir:

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

Data: 25/01

Horário: 14 às 20 h

Local: Rua das Palmeiras, 316, Baú Cuiabá/MT

 


A leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” - Gilda Portella

Eduardo Batukka convida você a mergulhar na poesia de Emily Dickinson. Dia 27 de janeiro no Gabinete Antes do Café (@gabineteantesdocafe) às 20 horas, ele apresenta a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco”, que contará ainda com trilha sonora original de João Reis (@musicadereis).

Emily Dickinson (1830-1886) é o primeiro exemplo de poetisa da privacidade, da solidão, como sua própria poesia descreveu "A Alma seleciona sua própria Sociedade. E depois fecha a porta...". Apesar da maioria de seus poemas só terem sido encontrados após sua morte, trancafiados em baús em seu quarto, Dickinson inaugurou um novo estilo poético, aberto a muitas possibilidades de interpretação.

Para a performance, foram separados em meio à vasta obra de Emily Dickinson alguns poemas e cartas. As cartas trocadas por ela com outras pessoas servirão de esteio cronológico e biográfico, para tecer uma narrativa epistolar acerca da vida e da obra da poetisa. Venha se assombrar com a Arte de Dickinson.

Observação: não venha de branco. Faça sua pré-reserva para a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” dia 21 de janeiro (segunda-feira) às 20h no Gabinete Antes do Café (Rua 24 de Outubro, 566, Galeria Vila Maria, Cuiabá-MT). As cadeiras são limitadas. O valor do couvert artístico sugerido é R$20 reais. confirme sua reserva no telefone 65- 99261-9334.

Juliana Albernaz, sócia proprietária do Gabinete antes do café,   define a casa: “E um espaço de arte, café, música, poesia e chapéus”. O que dá charme e magia ao local complementa “e o cantinho do mundo, pois há história e estórias pra todo lado’’. Finaliza revelando o mistério da leveza e alegria do local “além da boa comida, shows intimistas  de jazz, blues, bossa, há uma galeria de arte com artistas do estado e de fora.”

A  galeria Vila Maria fica na  rua  24 de outubro, n. º 566.


Programação Tabuleiro da Pérola Negra 16/01 à 19/01/2020 - por Gilda Portella

 

O Que É Que O Tabuleiro Tem?

O Tabuleiro da Pérola Negra, surge como refúgio e respiro. Do Vinil, Jazz, blues e Samba, a ancestralidade grita naquela ambiência linda cheia de arte. 

 No Cardápio da Casa, pratos regionais e também africanos.

O horário de funcionamento é de quarta a domingo a partir das 18:00h até às 22:00h. 

Aos Sábados e Domingos, a casa serve café da manhã e o famoso tchá com bolo cuiabano a partir das -7:30 e estica até o meio dia com um delicioso quebra torto. 

A programação segue recheada de arte musical da melhor qualidade

16/01 Quinta do Vinil- com o melhor da MPB

17/01 Sexta de Drinks, Jazz e Blues com Allan House e Mississipi Jr.

18/01  Sabadou Samba! Com Mariana Borealis, Laércio Honorato e Matheus

19/01 Domingando com Palco Livre!!! 

O Tabuleiro da Pérola Negra fica na Rua Aroeira número 210 no Bairro Jardim gramado!

 


Quartajazz no Fuzuê Bar e Boemia / Caderno Cultura - Gilda Portella

Dia 8/1 - quarta feira as 19:30 h tem inicio a Quartajazz no Fuzuê Bar e Boemia.

O Fuzuê Bar e Boemia: é um bar novo que fica na Rua Governador Rondon, 737, Centro de Cuiabá (o bar é na Praça da Mandioca, uns 40 metros a frente do coreto, subindo a rua na direção da av. Mato Grosso) 

Quem dará o pontapé inicial nesse novo ciclo de sons é o quarteto formado: Pedro Oleare (guitarra), Igor Mariano (teclados), Thiago Costa (bateria) e Paulinho Nascimento (baixo acústico). No repertório, muita música brasileira e jazz. Vale a pena Conferir


Festas no Quilombo Mutuca - Cultura / Gilda Portella

Caderno Cultura I Gilda Portella

A ideia de escrever um livro sobre as mulheres do quilombo Ribeirão de Mutuca partiu das próprias quilombolas como forma de fechamento de um curso ministrado pelo Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte, GPEA, do Instituto de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) entre os meses de agosto a novembro de 2016, em meio ao doutoramento de duas pesquisadoras: Giseli Dalla Nora e Rosana Manfrinate. O livro traduz as narrativas das mulheres sobre sua história, sua a memória coletiva, o aprendizado delas ao longo de sua vivência.  A comunidade é narrada pelos seus olhares, suas identidades, sua cultura, entremeados no livro pelas reflexões das teorias da Educação Ambiental e da Justiça Climática tecidas no GPEA.  Encontra-se neste estudo o que ser mulher no quilombo, sua relação com a natureza nas curas, orações, culinária e no calendário de festas da comunidade. Partilha de conhecimento e saberes, partilhas de sonhos e imaginário.  O livro apresenta uma partilha da academia e da comunidade quilombola. Todas as participantes do curso são autoras do livro, um total de 39 pessoas.

 As festas tem um planejamento, contendo sua preparação, como convidam as pessoas, como arrecadam os donativos e o desenvolvimento nos dias das festas, pois envolvem muitos convidados e onde todos recebem o convite para o próximo ano.  As mulheres quilombolas nos revelaram pela oralidade 18 festas ao longo dos 12 meses do ano, onde destacam com mais detalhes quatro festas para o livro.  As festas são motivos para vários estudos e o GPEA tem pesquisas como a realizada por uma das coordenadora do curso,  Lucia Shiguemi Isawa Kawahara, que mapeou em sua tese o calendário cíclico de festas em São Pedro de Joselândia que envolve todo o Distrito de mesmo nome, no município de Barão de Melgaço, Mato Grosso.  Com este estudo como guia, as mulheres de Mutuca foram relatando e escrevendo sobre as festas na comunidade que envolvem pessoas não só do Quilombo, mas de todo o município de Nossa Senhora do Livramento, de Poconé, de Várzea Grande, de Acorizal, de Rosário Oeste e de Cuiabá.  As festas durante o ano são, na sua maioria, religiosas, oriundas de promessa aos santos, mantidas pelas famílias em agradecimento à graça recebida. Tem rezas, cantorias, missas e em homenagem aos santos as danças do Cururu e do Siriri. 

Assim, uma dessas festas destacadas por elas no livro é a de São Benedito e de São Gonçalo, realizado na casa de Dona Maria Renata de Jesus,  que por ocasião do dia de São Gonçalo é comemorado em janeiro, sendo que 2020 estão convidando para o dia 26/01. É uma festa onde podemos conhecer o ser quilombola, os respeitos à ancestralidade, à gratidão divina e à natureza pela saúde e graças alcançadas.  Tem as tradicionais comidas do quilombo, bem como o cururu e a dança de São Gonçalo. É festa, é dádiva recebida, comemorado com graça e devoção, e alegrias.  É a comunidade negra abrindo sua casa para comemorar sua história.

O livro “As Fazedoras de Saberes: Diálogos das Mulheres Quilombolas do Mutuca com a Educação Ambiental, Gênero e Justiça Climática”, organizado pelas autoras do GPEA, Giseli Dalla Nora, Rosana Manfrinate, Denize Aparecida Rodrigues de Amorim, Cássia Fabiane dos Santos Souza, Lucia Shiguemi Isawa Kawahara e Michèle Sato, foi publicado pela Editora Appris.  Foi lançado pela primeira vez em agosto do ano passado no barracão da Associação da comunidade Ribeirão do Mutuca e em novembro do mesmo ano, na Roda de Conversa “Mulheres Negras Inspiram”, coordenado pelo Fórum de Mulheres Negras de Mato Grosso, em Cuiabá.  O exemplar pode ser adquirido por compra em vários sites de vendas na internet.  Incentivamos a Comunidade Quilombola Ribeirão do Mutuca ir descrevendo, fotografando, filmando, narrando cada uma de suas festas, sendo uma história contada por ela às novas gerações e para ser amplamente divulgada sua cultura e identidade.

Denize Aparecida Rodrigues de Amorim, doutorando em Educação, pela UFMT.


A Festa dos Santos Reis, tradição de Juscimeira.

Gilda Portella I Caderno Cultura

A Festa dos Santos Reis, tradição de Juscimeira.


Hoje é o dia de Santo Reis
Anda meio esquecido
Mas é o dia da festa
De Santo Reis
Hoje é o dia de Santo Reis
Anda meio esquisito
Mas é o dia da festa
De Santo Reis...
(Trecho da musica “A Festa do Santo Reis” de Tim Maia)
Eles chegam tocando, cantando, dançando e rezando ao som das flautas de
pífano, zabumba, pandeiros, triângulos, reco-reco e violão, e na mão a
bandeira da Folia dos Santos Reis, enfeitada de símbolos religiosos e fitas
coloridas. Eles vão levando cânticos de alegria e amor, orações musicadas,
danças em forma devoção e fé, as improvisações poéticas dão sabor e tom
performático para que devotos e foliões experimentem a força que os
revigorará na caminhada de onze dias celebrando o nascimento do menino
Jesus.
A riqueza das praticas e das representações culturais e religiosas demanda
que os foliões expressem suas sensibilidades devocionais com o corpo. O seu
corpo é a matéria viva que ora respira, ajoelha e levanta, ora emociona,
transpira, canta, dança e reza e assim estabelece relações com a comunidade,
com a identidade e a memória coletiva.
A festa popular folclórica de Juscimeira começa dia 26 de dezembro na
residência do Quincas, onde há uma lapinha (presépio), onde se reza o terço,
faz-se a louvação á Nossa Senhora Aparecida; tudo isso ao som de musicas
sagradas e ancestrais, os fogos de artifícios deixam a atmosfera mais
emocionante e contagia os corações. Os olhos dos foliões e devotos ficam
marejados de emoção e amor durante a cerimônia. O clima sagrado e profano
envolve a todos que irmanados em único sentimento de fraternidade e devoção
ao Santos Reis. Depois das orações é servido um jantar para todos os
presentes.
A festeira deste ano é Gisely F. de C. Mendonça, filha do folião e devoto
Joaquim Ferreira de Carvalho, o Quinca. O mestre Quinca acompanha a festa
de religiosidade e manifestações culturais, desde a infância. Já se vão quase
50 anos de dedicação a folia dos Santos Reis que se mantém viva em seus
costumes e crenças revelando a identidade cultural e a memória do seu povo.
A Bandeira com a Folia dos Santos Reis sai nos dias seguintes e percorre a
região entre as cidades de Dom Aquino e Juscimeira, visitando as residências
nos dois municípios. Marca a festividade os cânticos aos Santos Reis, o
recolhimento dos donativos geralmente gêneros alimentícios com o qual fará
um jantar no dia 06 de Janeiro no salão de festa das Obras kolping.
O jantar distribuído gratuitamente a todos os devotos e foliões que
comparecem pra ver a lapinha e rezar o terço. Logo a seguir é feito a coroação
do festeiro do ano seguinte. A festeira Gisely explica como funciona a coroação
da Folia de Santos Reis: “os próprios foliões escolhem o festeiro, se alguém
tem algum voto ou alcançou alguma graça também pode ser festeira. Sou
devota desde criança, tenho uma promessa com Santos Reis dou um jantar a

eles todos os anos inclusive é amanha o jantar na minha casa, moro em Santa
Elvira pertinho de Juscimeira”.
Tomei a liberdade de chamar de mestre Quinca porque vem ensinando sua
família e adeptos a dar continuidade ao ritual da folia de Santos Reis. Vi
crianças, jovens e membros da Comunidade Bom Jesus trocando experiências
ao se apresentar durante a missa domingueira da matriz de Juscimeira.
Estudiosos da cultura popular dizem que os foliões são especialistas populares
que reconstroem, readaptam, resignificam as representações, as apropriações
e praticas a dinâmica da vida na cidade. Manifestam a sua fé através de rituais
que incluem diversas expressões (musicais, performances e plásticas)
constituem-se assim um importante recurso da historia cultural, historia das
religiões, oral e do patrimônio imaterial brasileiro que deve ser salvaguardado
não só pelos órgãos oficiais (municipal, estadual ou federal) mas também pela
comunidade local, verdadeira detentora do saber e da qual depende a efetiva
pratica pela transmissão para as futuras gerações


Cine Teatro Cuiabá recebe mais de 50 mil pessoas em 2019

Um espaço de convivência que reúne diferentes manifestações artísticas e múltiplas linguagens culturais. Assim é o Cine Teatro Cuiabá, palco do cinema e das artes cênicas mato-grossense, que atrai plateias de todas as idades para sentir e pensar os espetáculos, filmes e debates realizados no espaço cultural.

Em 2019, o Cine Teatro Cuiabá alcançou mais de 50 mil pessoas, levando arte e cultura para o público que circulou nos 198 espetáculos de teatro, música e dança, realizados ao longo dos doze meses do ano. Além disso, foram 80 sessões de cinema exibidas e, vale lembrar, o espaço é um importante pólo de formação nas artes cênicas. No Cine Teatro Cuiabá, funciona a MT Escola de Teatro, que já está na terceira turma de alunos e formou 33 artistas no curso superior de tecnologia do teatro. Hoje, todos atuam profissionalmente nas áreas de teatro, cinema e televisão. 

“O Cine Teatro Cuiabá é um dos mais importantes equipamentos culturais do Estado e cumpre o papel de oferecer uma programação acessível e diversificada para a população. Outro diferencial é o fato de ser um espaço de ocupação e valorização dos artistas e grupos locais, que, cada vez mais, contam com o Cine Teatro para mostrar a sua arte para o público mato-grossense. Fechamos 2019 com todas as expectativas superadas”, comenta o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Allan Kardec Benitez.

Caminhos da Cultura no Cine Teatro Cuiabá
Créditos: João Felipe | Secel

Nesse contexto, para relembrar a programação diversificada, podemos citar vários espetáculos promovidos ao longo do ano. O espaço foi palco de duas edições da Mostra de Cenas, com peças teatrais apresentadas pelos estudantes e artistas da MT Escola de Teatro. E recebeu o Festival de Cinema Tudo Sobre Mulheres, uma itinerância do Cine Caramelo – Festival de Cinema Infantojuvenil de Porto Alegre, e o Festival Minuto.

No espaço, houve um recorte do seminário do projeto Rumos Itaú Cultural, com apresentação do edital 2019/2020 para os artistas e produtores culturais de Mato Grosso. Shows nacionais como o de Roberta Campos, Rubel e Vanguart, além do Queen Reviving, animaram o público adulto. Para as crianças, os destaques foram a turma do Baby Shark, da Patrulha Canina e do Rei Leão. Houve também muito riso com as comédias de stand up.

Artistas e grupos regionais marcaram presença no palco, estrelando shows de música, dança e espetáculos teatrais. Entre eles, Vera Capilé, Ana Rafaela, Instituto Flauta Mágica, Nico e Lau, Billy Espíndola, Sarah Mitch, Eduardo Butakka, Thyago Mourão, Cena Onze, Theatro Fúria, Grupo Penumbra, Coro Experimental MT, Lucas Koester, Teatro Imagem, Cia Pessoal de Teatro, André D’Lucca, Coletivo Atro, Coletivo Cia de Teatro Porão, Amaury Tangará, Cia de Teatro Barata, Grupo de Siriri Flor do Campo, Caio Mattoso, Karola Nunes e muitos outros. Teve ainda apresentações de grupos haitianos no Festival Gospel Kreyòl, apresentação de capoeira, concurso de miss, exposições de artes visuais e lançamento álbuns e livros.

Abertura da Mostra de Cenas
Créditos: João Felipe | Secel

Em homenagem aos 300 anos de Cuiabá, o projeto Encontros com Cinema trouxe a Sessão Realizadores de Mato Grosso, com opções de filmes de produtores regionais. Também houve o Ciclo Hitchcock, que relembrou as principais obras do mestre do suspense, Alfred Hitchcock. Um dos marcos na programação do Encontros com Cinema foi a exibição do filme Bacurau, premiado e aclamado pela crítica e público. As sessões do longa de Kleber Mendonça Filho lotaram o palco principal do Cine Teatro Cuiabá, destacando-se por esgotar os ingressos enquanto ainda havia procura por lugares na plateia.

Outro projeto de cinema no espaço cultural foi a Mostra Vitrine, que, pelo terceiro ano, trouxe ao público mato-grossense produções de longa-metragem destaques e/ou premiados em diferentes festivais internacionais. Para o público infantil, o projeto A Escola Vai ao Cine Teatro ofereceu sessões de animações para estudantes e professores de escolas de Cuiabá e Várzea Grande.

A programação de 2019 foi encerrada neste mês. Segundo o diretor artístico do Cine Teatro Cuiabá, Flávio Ferreira, a equipe de gestão do espaço está aproveitando o fim de ano para fazer manutenções rotineiras e garantir um espaço com qualidade técnica para as apresentações dos artistas e conforto ao público. Porém, adianta que a agenda de 2020 está sendo montada e ainda em janeiro o Cine Teatro Cuiabá reabre as portas para a população.

Abertura da Mostra de Cenas
Créditos: João Felipe | Secel

“Para nós foi uma surpresa a quantidade de pessoas que se apresentaram no Cine Teatro em 2019. A partir do momento em que a gente vê essa grande procura pelos artistas e pelo público, todos os espaços tomados, o palco principal, a sala Anderson Flores, a biblioteca e a MT Escola de Teatro, ficamos emocionados de poder fazer parte dessa história. É gratificante saber que o público e a cultura regional estão ganhando nesse momento tão difícil para a cultura no país”, comentou Flávio.

Cine Teatro Cuiabá

Inaugurado em 23 de maio de 1942, o Cine Teatro Cuiabá faz parte da cultura e da história cuiabana. Construído em área central da cidade, na Avenida Getúlio Vargas, ao lado do antigo Grande Hotel, oportunizou grandes espetáculos cinematográficos e cênicos até fins da década de 60. Tornou-se patrimônio tombado em 1984, e foi desativado em 1997 por problemas administrativos e sanitários. Passou por reforma, restauro e revitalização, reabrindo as portas em 2009.

Além do palco principal, para 515 pessoas, conta com um espaço para espetáculos menores, a Sala Anderson Flores.  Há também a MT Escola de Teatro e a biblioteca com um acervo de 2.000 livros físicos e 1.200 obras virtuais.

O Cine Teatro Cuiabá é um equipamento cultural da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) que possui gestão compartilhada com a Associação Cultural Cena Onze, desde 2016.

Mayke Toscano - Secom/MT

Serviço:

Endereço: Avenida Getúlio Vargas, 247 - Centro, Cuiabá - MT, 78005-600. Telefone: (65) 2129-3848, email: contato@cineteatrocuiaba.org.br e site: http://cineteatrocuiaba.org.br/


Cultura com amor

Cultura com amor

A renomada e badalada artista plástica Gilda Portella acaba de aceitar convite feito pela equipe do jornal Veja Popular para assinar a coluna de cultura que leva seu nome. Historiadora suas telas sempre tem um fundo ligado a evolução e comportamento da sociedade num geral. Sua arte tende a apontar a evolução  e a  falta da mesma, mostrar o comportamento, as várias formas da fé e o ciclo da evolução do homem na terra. Muito dedica na arte de amar a arte recebeu o convite e agora é colunista de cultura no jornal que está de cara nova com uma nova roupagem para levar notícias e informações de qualidade aos seus leitores.  Com grande competência a artista agora vai nos encantar  também com as badalações culturais e divulgar a arte que é tão rica e vasta em nosso estado. Para acompanhar o trabalho e Gilda Portella acesse http://www.vejapopular.com.br/



Luau da Virada - Cultura por Gilda Portella


Cultura por Gilda Portella

Antes de 2020 ainda tem um super show com Wellington Berê, Ton Rock e Tocandira no Kartell em Cuiabá sexta 27/12 às 22 horas


Página 1 / 5

Próximo »

Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.