01 de abril de 2020 - 21:03

Cultura

Por que não se fala de Covid-19 na África? Por Gilda Portella

Os dados sobre o Coronavírus-19 no Continente Africano são poucos. Nas principais agencias de noticias o assunto é escasso e apresenta uma oscilação em relação aos números dos países afetados e total de casos confirmados. O Globo registra mais 42 países africanos com casos confirmados; na sua maioria pessoas que vieram do exterior. Já o Terra, no dia 21 de março, fala em 40 países afetados, o Jornal de Angola apresenta 38 países, e o Observatório da África apresenta um total de 29 países atingidos pela pandemia.

Por que não se fala sobre a pandemia do Covid-19 na África? Invisíveis para quem? Por quê?  Quem não consegue ver que estatísticas não são meros números. São vidas. São vidas negras. E vidas negras importam.

As concepções brasileiras de ciência, de doença, vida e morte são baseadas numa visão eurocêntrica, eugenista, portanto, racistas e misóginas. È uma das faces originadas no percurso da discriminação racial, cicatriz das relações raciais no Brasil. Pode-se dizer que o quadro acima é manifestação necropolítica do racismo institucional.

Qual a destruição que a Covid-19 provocará nas regiões menos preparadas do mundo para enfrentá-lo? Em África, faltam equipamentos e materiais técnicos, unidades de terapia intensiva, médicos, enfermeiros e a rede de proteção social é uma das mais vulneráveis do mundo.

Coronavírus avança na África de acordo com o Globo há mais de 1.200 casos confirmados, sem mencionar as mortes. Para o Terra, são mais de 1.088 casos confirmados e 31 mortes. A situação no continente é de abandono, pois sistemas de saúde são precários e há ampla presença de doenças, como AIDS e tuberculose.

O Jornal de Angola informa que o número de infecções pelo coronavírus em África ultrapassou os 900 casos, com registro de 24 mortes, nas estatísticas recentes sobre a pandemia. O Observatório da Àfrica apresenta somente 350 casos confirmados no continente e omite as mortes.

O filosofo Francês de Martinica, Frantz Fanon, diz que o homem negro não é um homem, é um homem negro. Também por isso, pouco se fala nesta pandemia, os casos africanos e as mortes. Há as pessoas e as não-pessoas. Há Europa branca, centro do poder político e econômico e a África negra, periférica na geopolítica mundial. Nessa exploração desumanizadora – despessoalizadora, não ouvimos, não enxergamos, não falamos dos que não são nossos pares...  

A principal preocupação apresentada nas reportagens é a suspeita de que haja transmissões não detectadas, por falhas e deficiências do sistema de vigilância em saúde dos países africanos. Alem disso, se deve mencionar que o continente foi marcado pela colonização, guerras, misérias e governos autoritários, tal situação gerou um grande número de pessoas vulneráveis. Vale destacar que tais grupos sociais já afetados por ausência de saneamento básico, coleta de lixo, saúde, educação, moradia, sem emprego e alimentação serão os primeiros a se infectarem e a morrerem.

 Há o receio que o surto do Covid-19 se dissemine nas regiões mais pobres, onde o sistema público de saúde mal estruturados, irão rapidamente implodir; o outro temor é que países pobres e incapazes de oferecer serviços básicos para a maioria de suas populações, com economias frágeis, não consigam apoiar seus cidadãos. Tais omissões institucionais e as mortes por elas geradas devem ser denunciadas junto às organizações e cortes internacionais.

O genocídio da população negra será dramático, se não forem tomadas as devidas medidas, que levem em conta as desigualdades no acesso a direitos e serviços, para frear o triste evento do coronavírus tanto lá na África como aqui no Brasil.


Projeto Colcha de Retalhos

O Projeto " Colha de Retalhos" está participando do Edital de Inclusão Socioprodutiva da Fundação Banco do Brasil-2020, visando continuar e ampliar  às ações previstas no projeto. No edital está previsto várias etapas, e uma delas é a elaboração de um vídeo que precisa ter 400 visualizações no YouTube, que vale 3 pontos que será agregado durante a avaliação do Projeto. 
Vamos compatilhar pessoal! Contamos com vocês!
O Projeto “Colcha de Retalhos", executado pela Associação Varzeagrandense Madre Tereza de Calcutá, (AVE-MATER) visa promover a profissionalização e a geração de renda para jovens e mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade socioeconômica, com ações de tecnologias sociais que valorizem o saber e a cultura local, fortalecendo as ações já implementadas (produção de colchas de retalhos) e ampliando a confecção de produtos artesanais colaborativos e sustentáveis (tapetes, jogo americano, almofadas, lingerie e outros)  
As oficinas de confecção de artigos artesanais com o reaproveitamento de retalhos de tecidos serão realizadas semanalmente com o público atendido pelo projeto e terão como base quatro dimensões da tecnologia social, sendo elas: Protagonismo social, Valorização da cultura local, Meio Ambiente e Desenvolvimento Comunitário. 
Diante do exposto, pode-se concluir que o projeto está de acordo com o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 12, que tem como tema “Consumo de Produtos Sustentáveis”, e realiza ações que impactam as pessoas, a comunidade e o planeta, com ferramentas economicamente viáveis, socialmente adequadas e ecologicamente corretas, além de oferecer acompanhamento do desenvolvimento pessoal, profissional e social do público atendido.
Há 15 anos a AVE-MATER desenvolve programas e projetos socioeducativos, que contribuem para a defesa dos direitos da criança e do adolescente e na promoção e autonomia de suas famílias, com ações articuladas e integradas com a escola, a comunidade e a rede intersetorial do município, em sintonia com as políticas públicas e construindo diálogo permanente com o território. Localizada na Vila São João, Várzea Grande-MT, atendendo diariamente 150 crianças e adolescentes que se encontram em situação de vulnerabilidade e risco social, no contra turno escolar, na faixa etária de 6 a 14 anos, realizando Oficinas de Esporte, Oficinas de atividades artísticas e culturais Oficinas temáticas e lúdicas, Oficinas de Informática, Oficina de Cortes e Costura, Programa de alimentação saudável e Programa de Acolhimento e Orientações as Famílias e a Comunidade.
 
 

Artes plásticas, humor e teatro são opções para o fim de semana

A Casa Cuaiabana recebe nos meses de março e abril a exposição "Achados, arte e sustentabilidade", da artista Janete Hartmann. A mostra traz pinturas feitas com materiais reciclados, que remetem ao campo e à natureza pura, convidando o público a um momento de contemplação.

A abertura será nesta sexta-feira (14.03), às 19h30. Outras atrações culturais do fim de semana são os shows de humor da dupla Nico e Lau e o espetáculo Almê 20 anos, ambos no Cine Teatro Cuiabá. O espaço também será palco da peça Bereu, com o Grupo Cena Onze.

A exposição de artes "Achados, arte e sustentabilidade" fica aberta na Casa Cuiabana até 17 de abril, das 8h às 12h e das 14h às 18h. O nome da mostra busca uma simbologia com os materiais usados, encontrados em calçadas, caçambas, terrenos e dentro de casa.

Janete Hartmann
Créditos: Divulgação

Também na Casa Cuiabana, ocorre neste sábado (14.03) o 2° Encontro de Mulheres Aruandê Capoeira. O evento começa às 15h e contará com roda de conversa sobre a Mulher na Capoeira, oficina de samba de roda com Erica Salles e roda feminina de capoeira e maculelê.

No Cine Teatro Cuiabá, as atrações do sábado (14.03) são a dupla Nico Lau e o Grupo Cena Onze. Com o show "Canhain", os humoristas comemoram 25 anos da história. O Grupo Cena Onze traz ao palco a peça ‘Bereu’, contando um pouco da experiência de mais de dez anos de convivência com mulheres reeducandas de Cuiabá.

No domingo (15.03), André D’Lucca incorpora "Almê 20", um espetáculo comemorativo dos 20 anos da personagem. Na terça-feira (17.03), dentro da programação da Temporada de Filmes, o Cine Teatro Cuiabá exibe "Vermelho Sol", premiado em 2018 nas categorias melhor diretor, melhor fotografia e melhor ator no Festival de Toronto, no Canadá.

Bereu - Grupo Cena Onze
Créditos: Divulgação

Na segunda-feira (16.03), o Cine Teatro Cuiabá recebe o primeiro evento da "Série Encontros com a Cultura", realizado pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) para apresentação do planejamento estratégico do órgão e exposição das ações desenvolvidas em 2019. Na ocasião, haverá a palestra "Políticas Culturais e a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: novos desafios para o planejamento e a gestão cultural das cidades", com Cláudia Leitão.

Outras opções em equipamentos culturais sob gestão da Secel são o Museu de História Natural Casa Dom Aquino, Museu de Arte Sacra de Mato Grosso, Residência dos Governadores e a Galeria de Artes Lava Pés (mostra coletiva de fotografia Olhares Cuyaverá).

Serviço

Casa Cuiabana - Rua General Vale, 181, bairro Bandeirantes. Telefone: (65) 3624-2064. Mais informações sobre a exposição (65) 98133 1110 e evento de capoeira (65) 99253 1234. Facebook

Cine Teatro Cuiabá - Avenida Presidente Getúlio Vargas, 247, Centro de Cuiabá. Telefone: (65) 2129-3848, Email: contato@cineteatrocuiaba.org.br, Site , Facebook Instagram

Museu de História Natural Casa Dom Aquino - Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá. O funcionamento ao público é de quarta a domingo, das 8h às 18h. Entrada: R$ 6 (inteira) R$ 3 (meia). Facebook  e Instagram 

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso - Praça do Seminário, na Rua Clóvis Hugney, 239, bairro Dom Aquino. Aberto à visitação de quarta-feira a domingo, das 9h às 17h. Ingresso R$ 10 e R$5 (meia). Visita gratuita aos domingos. Telefone: (65) 3056-1373, Email: museuartesacramt@gmail.com, Facebook  e Instagram 

Galeria de Artes Lava Pés - Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300.  Funcionamento de segunda a sexta, das 8h às 18h. Telefone: (65) 3613-0232. Email: equipamentos@secel.mt.gov.br

Residência dos Governadores - rua Barão de Melgaço, nº 3565, Centro de Cuiabá. A entrada é gratuita. Aberto à visitação de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às18h. Telefone: (65) 3613-0232. Email: equipamentos@secel.mt.gov.br


Secel promove encontro para debater políticas públicas com a sociedade

O evento será realizado no Cine Teatro Cuiabá, a partir das 19h, e contará com palestra da renomada gestora e pesquisadora cultural Cláudia Leitão

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) promove nesta segunda-feira (16.03) a primeira edição da Série: Encontros com a Cultura, um evento aberto à sociedade para apresentação do planejamento estratégico do órgão e exposição das ações desenvolvidas em 2019.

Será também um momento para gestores, produtores culturais e cidadãos debaterem com a Secel sobre o contexto atual das políticas públicas para a cultura mato-grossense e os rumos a seguir nos próximos três anos. O evento será realizado no Cine Teatro Cuiabá, a partir das 19h, e contará com palestra da renomada gestora e pesquisadora cultural Cláudia Leitão.

“O Encontros com a Cultura consiste em um uma série de diálogos com a sociedade, nos quais vamos ouvir as demandas, esclarecer dúvidas, apresentar as ações desenvolvidas e o planejamento da Secel para o triênio 2020-2022. É muito importante a participação de todos que lutam em defesa da cultura, pois, juntos, poderemos compartilhar informações, levantar demandas e pensar sobre os mecanismos que envolvem o desenvolvimento das políticas culturais”, destaca o secretário Allan Kardec Benitez.

Esta será a primeira edição do encontro, que contará com a palestra ‘Políticas Culturais e a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável: novos desafios para o planejamento e a gestão cultural das cidades’. O tema será abordado pela doutora e pesquisadora Cláudia Leitão, reconhecida pela atuação na gestão da Cultura do Ceará, cujo trabalho recebeu o Prêmio Cultura Viva, do extinto Ministério da Cultura (MinC), na categoria Gestão Pública. Ela também foi responsável pela criação e primeira gestora da Secretaria da Economia Criativa do MinC, é consultora em Economia Criativa para a Organização Mundial do Comércio (OMC) e para a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento.

O evento também terá apresentações  musicais dos Pontos de Cultura Instituto Ciranda e do Arte Cidadã.

Inscrições: O evento é aberto ao público geral, mas a organização pede que sejam feitas inscrições prévias para melhor acomodação dos participantes. A inscrição pode ser feita online, no link a baixo.

Mais informações: (65) 3613-0233 ou  spc@secel.mt.gov.br

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSf_2J_urcb485NG4DZswx9AbfmCLPE5aTQ2hbpamUprtycKRw/viewform


Classe cultural prestigia entrega da obra e aprova revitalização

Artistas, produtores culturais, autoridades e público da Casa Cuiabana prestigiaram a entrega da obra de revitalização do equipamento cultural, nesta segunda-feira (02.03), em uma noite marcada por um clima de satisfação e nostalgia. Entre eles, o cantor e compositor Pescuma, que se apresentou com Henrique, Claudinho e convidados.

“É uma honra estar novamente neste palco que eu já pisei tantas vezes, esse patrimônio da cultura mato-grossense, agora lindo e revitalizado. Casa Cuiabana é tradição, ponto de encontro, história. Artistas, população, todos ganham com a entrega da obra”, disse o cantor.

Nessa atmosfera de sarau, com encontro de músicos de todos os gêneros no palco do teatro de arena, e apresentações de dança pelo quintal, o governador Mauro Mendes e o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), Allan Kardec Benitez, fizeram a entrega oficial da obra e apresentaram o novo projeto de ocupação do espaço cultural.

“Este é um trabalho de resgate e valorização da cultura mato-grossense. Revitalizar a Casa Cuiabana é preservar nossa identidade, nossa história, nossas referências. E cuidar da cultura também é fazer o Estado avançar”, enfatizou o governador.

O clima de nostalgia marcou uma das integrantes da família que foi proprietária do imóvel. Pensylvânia Borralho é da terceira geração, ela conta que ouvia histórias do pai que passou muitas tardes visitando a tia naquele quintal cuiabano. “Estou emocionada por ver que o intuito da família está sendo cumprido, que é esse uso do espaço para a valorização da cultura cuiabana”.

Em 2019, o espaço recebeu um público de 7.137 pessoas, alcançadas em eventos, cursos, exposições, ensaios e visitas. Durante a cerimônia de entrega, o secretário Allan Kardec apresentou o novo projeto de ocupação do espaço. A proposta é fazer da Casa Cuiabana um equipamento destinado à criação artística e co-working.

Além de ser aproveitado para os eventos e projetos de formação cultural, haverá salas equipadas para ensaios e apresentações de teatro e de dança e estúdio de som para gravação de música, além de todas as salas que receberão ar condicionado. Outra melhoria será no teatro de arena, que receberá uma tenda para ser usada em shows abertos, cobrindo a área quando houver necessidade.

“Estou muito feliz com o resultado, a Casa Cuiabana é um espaço emblemático, presente na memória da população cuiabana, é a casa da comunidade, dos artistas. Com a entrega da obra as ações aqui serão potencializadas”, disse o secretário Allan Kardec.

Benedito Nunes

Em memória ao artista plástico Benedito Nunes, que faleceu nesta segunda-feira (02.03), mesmo dia de entrega da obra de revitalização da Casa Cuiabana, seu legado e importância para a cultura mato-grossense foram lembrados na cerimônia. E duas obras (uma pintura e uma escultura) do artista ficaram expostas no jardim da Casa Cuiabana, durante todo o evento.

“Hoje foi um dia feliz e triste para a cultura mato-grossense. Entregamos mais um patrimônio cultural revitalizado, a Casa Cuiabana, tradicional espaço público de resistência cultural, no mesmo dia em que perdemos um grande artista, Benedito Nunes, vanguarda da resistência nas artes plásticas, cuja obra é um legado de sua presença entre nós. A reinauguração da Casa Cuiabana se torna, assim, um tributo à vida e obra deste grande cuiabano”, destacou o secretário Allan Kardec.

Abalados com a notícia da morte do amigo, artistas e produtores culturais decidiram ali mesmo pela realização de um sarau em prol da família. A data ainda será definida e o evento será na Casa Cuiabana. Até o momento, 20 obras já foram doadas para um leilão.

Obra na Casa Cuiabana

Após 10 anos sem receber uma obra completa de manutenção predial, a Casa Cuiabana foi revitalizada, com melhorias realizadas na infraestrutura. Entre elas a acessibilidade, instalações elétricas, hidráulica, esquadrias, cobertura, banheiros, forro, pavimentação, piso antiderrapante, praça, substituição do madeiramento e jardim. Uma das mudanças perceptíveis é a nova pintura, em tom de amarelo na fachada, que busca trazer a cor original da edificação, construída no século 18.

Patrimônio histórico e cultural desde 1983, vale ressaltar que a obra de revitalização respeitou e preservou as características originais do prédio. A novidade é o acesso à internet, que era uma demanda antiga dos usuários do espaço cultural, e agora será disponível para o desenvolvimento dos projetos.

Mesmo com a obra, que durou em torno de quatro meses, a Casa Cuiabana ficou aberta, e manteve a programação de eventos e projetos de formação de música, teatro, dança, informática, artes plásticas e capoeira.

Programação

Para o mês de março, há três eventos programados: Feira de Mulheres Empreendedoras (07.03), evento de capoeira (14.03) e Feira do Vinil e de Antiguidades (21.03), todos aos sábados. Também está aberta para o público a exposição Irigaray – Arte – Ikuiapá, com obras inéditas do artista, até o dia 07 de março.


Edital é prova de que esta gestão dá atenção especial aos municípios, afirma secretário

As inscrições para o edital de incentivo a ações culturais nos municípios de Mato Grosso, o Afluentes MT, que vai premiar com R$ 50 mil 18 iniciativas em todas as regiões do Estado, seguem abertas até o dia 13 de março. Ao todo, serão R$ 900 mil investidos em projetos culturais de vários seguimentos.

Artes Cênicas (teatro, dança e circo), Artes Visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, fotografia, instalação, artesanato), Música, Literatura, Audiovisual e/ou Cinema. Essas são as linguagens sugeridas pelo edital, que vai contemplar projetos voltados às Culturas Populares e Tradicionais, Cultura LGBTQIA+, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, Culturas Indígenas, Patrimônio Cultural e Bibliotecas, dentre outras.

 

“Serão premiados três projetos em cada uma das seis regiões de Mato Grosso. As prefeituras podem fazer seus projetos em qualquer linha de pensamento na área da cultura. Nossa motivação é valorizar esse trabalho prévio do Plano Municipal de Cultura, realizado pelas prefeituras, e incentivar as que ainda não se organizaram”, ressalta Paulo Traven, secretário adjunto de Cultura, Esporte e Lazer. 

As inscrições devem ser realizadas via protocolo na Secel-MT, em Cuiabá, no horário comercial, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Ou ainda, via correios, de acordo com as orientações do EDITAL. Veja o endereço da Secel no serviço, ao final desta matéria.

“O edital Afluentes MT foi criado para incentivar os municípios a fazerem seu planejamento na área da cultura e criarem o CPF da Cultura (Conselho, Plano e Fundo Municipal de Cultura). Aqueles municípios que já se organizaram terão uma vantagem, sairão 30 prontos na frente dos concorrentes. E os municípios que ainda não se organizaram, claro, também poderão participar”, explica Traven.

Vale ressaltar que os projetos selecionados deverão ser executados, obrigatoriamente, pelo órgão gestor da cultura no município (Secretaria, Departamento, Coordenadoria Municipal de Cultura), que serão o responsáveis legais pela elaboração e execução dos projetos inscritos.

“Após o dia 13 de março, data limite para as inscrições, uma comissão avaliadora vai selecionar os projetos mais bem elaborados e, com os vencedores, o Governo do Estado fará um convenio direto com a prefeitura inscrita. Nesta gestão, estamos dando uma atenção especial aos municípios, esse edital é uma prova disso”, complementa Traven.

A propósito, o Plano Municipal de Cultura  é um documento formal que representa a política de gestão cultural de uma cidade. Em resumo, um planejamento feito com base em consulta pública, com duração de dez anos.

“É fundamental para a cultura mato-grossense que os municípios tenham suas ações planejadas e a Secel é parceira. E assim teremos cada vez mais ações de incentivo, nesse sentido”, completa Traven.  

Serviço

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-0233.


Edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios sugere diversas áreas temáticas

O MT Afluentes segue aberto para inscrições até o dia 13 de março e deve contemplar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas

Com inscrições abertas até o dia 13 de março, o edital de Incentivo a Ações Culturais nos Municípios, o MT Afluentes, tem por objetivo selecionar 18 iniciativas culturais provenientes de prefeituras municipais de Mato Grosso em diversas linguagens artísticas e áreas temáticas.

As inscrições devem ser realizadas via protocolo na Secretaria de Cultua, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT), em Cuiabá, no horário comercial¸ de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Ou ainda, via correios, de acordo com as orientações do EDITAL. Veja o endereço da Secel no serviço, ao final desta matéria.  

Artes Cênicas (teatro, dança e circo), Artes Visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, fotografia, instalação, artesanato), Música, Literatura, Audiovisual e/ou Cinema. Essas são as linguagens sugeridas pelo edital, que vai contemplar projetos voltados às Culturas Populares e Tradicionais, Cultura LGBTQIA, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, Culturas Indígenas, Patrimônio Cultural e Bibliotecas, dentre outras.  

Vale ressaltar que o projeto selecionado deverá ser executado, obrigatoriamente, pelo órgão gestor da cultura no município (Secretaria, Departamento, Coordenadoria Municipal de Cultura), que será o responsável legal pela elaboração e execução do projeto inscrito.

“Este edital é um marco para a nossa gestão, que tem trabalhado com prioridade nas políticas públicas de fomento e valorização das ações e projetos culturais desenvolvidos nos municípios. Defendemos a descentralização dos recursos como uma forma de fortalecer a gestão da cultura e ampliar o acesso às artes e manifestações culturais para a população”, explica Allan Kardec, secretário de Cultura, Esporte e Lazer.

Para facilitar, separamos aqui algumas definições de áreas temáticas sugeridas pelo edital. Além dessas, exeintem outras linhas que serão contemplada pelo MT Afluentes, bem detalhadas no edital. Confira! 

Culturas Populares e Tradicionais

O edital irá contemplar propostas que envolvam um conjunto rico e heterogêneo de expressões simbólicas, econômicas e políticas, constantemente recriadas e dotadas de referências importantes para a construção de identidades locais, regionais ou nacionais por indivíduos, grupos e comunidades, contribuindo para sua continuidade e para a manutenção dinâmica das diferentes identidades culturais.

Cultura LGBTQIA+

Aqui as propostas devem ser relacionadas à promoção das manifestações culturais com temática sobre diversidade sexual e identidade de gênero, que colaborem com a luta por igualdade de direitos, enfrentamento da violência por meio da educação e o incentivo às práticas artístico-culturais realizadas por tais grupos sociais.

Culturas Negras, Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

Propostas que favoreçam o reconhecimento de manifestações culturais afro-brasileiras (culturas negras) como ferramenta para o enfrentamento ao preconceito e à discriminação, no sentido de potencializá-las e fomentá-las no processo de construção da sociedade brasileira.

Ainda, propostas que visem a valorização de grupos e comunidades tradicionais de matriz africana que se reconheçam como tais, que possuam formas próprias de organização social, ocupem e usem territórios e recursos naturais como condição para sua produção cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas geradas e transmitidas pela tradição.

Culturas Indígenas

O edital vai contemplar propostas voltadas para o fortalecimento das expressões culturais das populações indígenas em todas as suas formas e modos próprios, contribuindo para o fortalecimento e para a continuidade dinâmica das diferentes identidades étnicas e culturais no Brasil.

A ideia é difundir as expressões das culturas indígenas para além dos limites de suas comunidades de origem.

Territórios e Memória

Propostas que visem, por meio da museologia social, à promoção do patrimônio material e imaterial e que priorizem o reconhecimento, à valorização e à proteção da memória social de grupos, de coletivos, de povos e de comunidades que se diferenciam por características históricas e culturais nos vários territórios.

Bibliotecas

O edital vai contemplar propostas de valorização e fortalecimento das bibliotecas como espaços de convivência e estímulo à leitura, a literatura e a criação e produção cultural.

Serviço

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-0233


Secel publica lista de inscrições habilitadas em edital de Literatura

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) divulgou a lista de inscrições habilitadas e inabilitadas para concorrer ao edital Estevão de Mendonça de Literatura Mato-grossense. A lista está publicada no site da Pasta, e o resultado preliminar cabe recurso. Com 123 projetos inscritos, serão contemplados 30 projetos, com um investimento de R$ 600 mil da Secel.

Conforme prevê o edital, as inscrições foram avaliadas numa primeira fase pela Comissão de Habilitação, que verificou os documentos e requisitos exigidos para participar do processo. Os proponentes que tiveram os projetos inabilitados terão cinco dias para recorrer e apresentar as correções apontadas pela Comissão. Para conferir a lista acesse cultura.mt.gov.br/editais, ou clique AQUI.

O prêmio será dividido entre 15 projetos de literatura, nas categorias poesia, juvenil, infantil, revelação e prosa (inclui romance, conto, crônica, peça teatral e novela) e mais 15 projetos de fomento à leitura (contador de história, mediador de leitura, formação de mediadores e oficina literária).

O edital ainda prevê uma avaliação da comissão técnica de seleção, que será composta por profissionais de reconhecido mérito e competência no meio literário, acadêmico e cultural, com representantes da Secel e de instituições de ensino superior. O resultado final será divulgado em 06 de março de 2020.

Todos as informações referentes ao edital estão publicadas e disponíveis no site www.cultura.mt.gov.br/editais

Serviço:

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-9240/9230

 

 

Expectativa de reabertura do Museu Nacional emociona pesquisadores

Equipes trabalham intensamente na busca e restauro de peças do acervo

O bioarqueólogo do Museu Nacional Murilo Bastos diz que é difícil de chorar, mas confessa que “estará em lágrimas de emoção e felicidade” quando o prédio e o acervo da instituição estiverem totalmente recuperados. O prédio e importantes peças de seu acervo foram destruídos em um incêndio em setembro de 2018.

É assim que Bastos resume o empenho dos pesquisadores para recuperar o acervo do espaço cultural, instalado na Quinta da Boa Vista, na zona norte do Rio. Desde a data do acidente, ele se dedica a esse trabalho. “O que a gente mais quer aqui é ver esse prédio e toda a estrutura do museu, linda, como a gente gosta, como o Brasil e a nossa população merecem.”

Em entrevista  à Agência Brasil, ele afirma que, enquanto tiver coisa para tirar, todos estarão ali, com a mesma energia, com a mesma força com que começaram o resgate porque querem ter a certeza de que recuperaram tudo que foi possível.

Bastos mostra-se ansioso pela volta ao funcionamento do Museu Nacional em sua plena capacidade, mas antes disso, destaca que é intenso o trabalho dos pesquisadores para retirar dos escombros o que ainda tem de peças e fragmentos do acervo. “Como profissional, o que posso dizer é sobre a entrega do museu de volta ao público, para exibições, para exposições, e a nossa área de pesquisa, próxima de tudo isso. Vai ser ótimo para todo mundo, vai ter uma sinergia.”

O bioarqueólogo enfatiza que existem vários níveis de dificuldade e que a maior é que ninguém estava acostumado a lidar com o acervo do museu, o material queimado. “Então, é muito difícil identificar as peças, é um desafio constante e um aprendizado de tudo aquilo que já fizemos e tudo que estamos fazendo agora.”

Coleções

 Pesquisadores trabalham na coleta de material de acervo do museu misturado nos escombros do prédio do Museu Nacional incendiado em setembro de 2018
O minucioso trabalho de busca de fragmentos de peças do acervo em meio aos escombros - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Os pesquisadores e as equipes de apoio estão empenhados, dia após dia, em recuperar o acervo do museu. Ângela Buarque, que já foi antropóloga da instituiçao e hoje é pesquisadora colaboradora, comanda a equipe responsável pela recuperação de peças e fragmentos da exposição Entre Dois Mundos: Franceses de Paratitou e Tupinambás de Rouen, que mostrava o encontro das populações nativas, que na época eram os Tupinambás da laguna de Araruama, hoje Região dos Lagos do Rio de Janeiro, e os franceses que chegavam no local em busca de pau-brasil e outros produtos.

“É sempre um momento tenso, emocionante quando se encontra, às vezes, uma pequena peça, porque aí se pensa que pelo menos um registro vai ficar. Desde o início de janeiro, estamos aqui e encontramos apenas três minúsculas pecinhas”, conta Ângela.

Segundo a antropóloga, estavam na exposição peças que comprovavam a presença francesa no território. “Nesse momento de coleta, é, principalmente, o material de pequeno porte: miçangas minúsculas, centenas delas, que estavam nas vitrines, derreteram. Hoje estamos à cata desses elementos. Como as miçangas são muito pequenas, usamos uma peneira também pequena.”

Ângela acrescenta que a exposição foi montada para ser temporária, mas acabou se estendendo e já estava aberta à visitação pública há 10 anos, na chamada Sala dos Embaixadores. “Era um material muito significativo e dialogava com este momento [do século 16]”.

Durante as pesquisas que ela fez sobre este período, foram encontradas peças que não faziam parte da exposição e que, por isso, não foram destruídas pelo fogo.”Nós temos um laboratório que funciona no Horto – a maior parte das minhas pesquisas está na Casa de Pedra. A gente ainda tem muita coisa que, em algum momento, pode voltar e fazer parte de uma exposição”, diz a antropóloga. As peças que estavam no museu, porém. Já eram restauradas e se perderam.

De acordo com a antropóloga, esse contato entre os indígenas e os franceses acabou levando um grupo de Tupinambás para Rouen, na França, onde alguns se estabelecera. Outros voltaram para o Brasil.

Egípcia

Uma coleção que está sendo recuperada é a egípcia, muito procurada pelo público antes do incêndio. Marina Buffa Cesar e sua equipe buscam diariamente as peças e pequenos fragmentos de um acervo importante para a humanidade, que ela conhecia bem como pesquisadora. Ela passa os dias peneirando os escombros em busca da recuperação da coleção egípcia. “A gente tem recuperado muita coisa que, em alguns momentos, achava que não fosse recuperar. É emocionante. Tem momentos que a gente tem sorriso no rosto porque está conseguindo salvar muita coisa do Museu Nacional. Para mim, é gratificante.”

A coleção egípcia era uma exposição permanente do Museu Nacional, e a perspectiva é que retorne quando o espaço for reaberto. “Temos material que não é relacionado apenas às múmias, mas também aos shabtis e [peças] de bronze que eram únicos e estão sendo recuperados. Vamos trazer de volta para a sociedade tanto acadêmica, quanto para o pessoal que gosta de visitar o Museu Nacional”, acrescenta Marina.

O bioantropólogo Murilo Bastos destaca que os pesquisadores trabalham em uma grande rede de apoio entre eles. “Tem dia que um está mais triste que o outro, mas todos estão juntos para trabalhar e dar conta do serviço.”
Segundo Bastos, todos os dias eles lembram um pouco do que aconteceu. “A gente conhecia o prédio antes, os lugares, as salas. Quando entra, lembra como era e vê como ficou. Ao mesmo tempo, vem a imagem do incêndio, mas também a nossa cabeça meio se acostuma com aquilo para se adaptar e ter forças para continuar”, conclui.


Programação Tabuleiro da Pérola Negra 23 a 25/01 - Gilda Portella

 

 


O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA - Gilda Portella

O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA


O QUE É A RESIDÊNCIA ARTÍSTICA DE ARTE HÍBRIDA
CASA/CORPO 

Ensaio experimental a partir do conceito de residência de arte contemporânea com cinco artistas, a acontecer no Ateliê Livre da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, com sede em Cuiabá, Mato Grosso;
Projeto de caráter independente, sem financiamento de nenhuma fonte de recursos públicos, apenas ocupando temporariamente o espaço do ateliê livre da UFMT, que tem em sua bagagem histórica a prática de parcerias temporárias com artistas proponentes;
Projeto de incentivo à arte emergente através da convergência de ações e pensamentos que amplifique a formação, reflexão, produção e teoria de maneira interdisciplinar a partir das temáticas escolhidas;
Espaço temporário de escrita e desenvolvimento conceitual e de projeto, compartilhamento, vivência, experimentação e intercâmbio pautado por encontros, palestras, oficinas e exibições;
Polo agregador entre os artistas residentes e o público quando houver publicação dos resultados da experiência e os encontros temáticos como parte metodológica da experimentação.


Agenda + Artes MalcomPUB - Gilda Portella

Quarta-feira:

The Vinis e P-brother e o melhor do rock e pop rock nacional e internacional.

Entrada Gratuita até às 22hrs

Abertura da Casa às 20hrs

 

 

Quinta-feira:

Especial Capital Inicial e Cazuza com Banda Herois de Brinquedo

Entrada Gratuita até às 22hrs

Abertura da Casa às 20hrs

 

Sexta-feira:

PUB: Rapha Koury + T.C.A tocam Red Hot, Bon Jovi, Maroon 5, dentre outros ícones da música internacional.

E ainda rola as melhores músicas do rock e pop rock nacional.

CLUB: IT’S A TRAP com DJ Danilo Soares – O melhor do Hip Hop nacional e internacional em um set cuidadosamente montado para a ocasião.

 

 

Sábado:

PUB: MP Rock + The Xomanos montaram uma playlist especial! Vai rolar Pearl Jam, Green Day, Nirvana, Creedence, Red Hot, dentre outros ícones do Rock n’ roll.

.

 

 CLUB: 2000 já é Flashback!!!

DJ Cleyton 7 e DJ Edinho Martins trazem as melhores músicas da década de 2000 para a pista do CLUB, porque 2000 já é Flashback.

 

 


Festival Braseiro - Vendas do lote promocional - Gilda Portella

Salve esta data: 25.01 - Abertura das vendas do lote promocional.

 
Chame os amigos, a família, a namorada, o esposo, chama todo mundo, porque vai ser épico.
Neste sábado ( 25.01), a partir das 14h, teremos um lote promocional e limitado.
 
Se liga:
▶ LOTE PROMOCIONAL: R$230,00
 
🎟 Pontos de venda:
📍 CUIABÁ:
• Loja Celeiro: Alphamall (Alphaville)
• Casas de Festas: shopping Pantanal e Goiabeiras shopping
 
📍 RONDONÓPOLIS:
• Lojas Celeiro
• Associação Braseiro (Rua Sete de Setembro, 1747 - Vila Goulart)
 
Parcelamos em até 3x (aceitamos também débito e dinheiro)
 
🔥 Festival Braseiro Cuiabá
🗓 18.04
🕔 A partir das 12h

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz - por Gilda Portella

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

 André Gorayeb - O GORA, artista de um talento nato, desde os primeiros rabiscos da infância já encantava pelos traços firmes e riquezas de detalhes.

O Gora, Ama o que faz e imprime nos seus desenhos,  grafites e telas uma intensidade de traços, cores, vida, paixão,  leveza, realidade, que surpreendem aos olhos humanos, uma visão do que está além, mas que certamente poderão sentir.

 Pincela a vida e suas perspectivas, retratando no subjetivo, o que seria o belo, o certo e suas oposições.

 O GORA tem uma alma leve, amável,  apaixonada, uma visão do que está além da mediocridade do cotidiano.

Em contraponto a fluidez da criatividade de Gora, Rodolfo Luiz em sua arte estática, nos mostra alem do que os olhos vêem na dinâmica do cotidiano apressado.

Suas imagens nos levam para outro nível de percepção da realidade, alem do meramente visual, nos faz viajar em sua sensibilidade para captar a beleza que estar além do simples olhar. Assim temos neste bazar de artes à leveza do fluir e a força da percepção que se materializa na memória do observador. Tal como uma bela paisagem onde o fluir das águas nos faz percebe a mesma beleza das pedras imóveis que perante as águas ficam mais belas.   

No dia do bazar o artista Andre Gorayeb ressalta que: “será vendidos os quadros da nossa exposição de fotografias com ilustração, desenhos originais de nanquim, lápis de cor e giz, prints em papel especial e fotografias”

Vale à pena conferir:

Bazar de Artes com André Gora e Rodolfo Luiz

Data: 25/01

Horário: 14 às 20 h

Local: Rua das Palmeiras, 316, Baú Cuiabá/MT

 


A leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” - Gilda Portella

Eduardo Batukka convida você a mergulhar na poesia de Emily Dickinson. Dia 27 de janeiro no Gabinete Antes do Café (@gabineteantesdocafe) às 20 horas, ele apresenta a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco”, que contará ainda com trilha sonora original de João Reis (@musicadereis).

Emily Dickinson (1830-1886) é o primeiro exemplo de poetisa da privacidade, da solidão, como sua própria poesia descreveu "A Alma seleciona sua própria Sociedade. E depois fecha a porta...". Apesar da maioria de seus poemas só terem sido encontrados após sua morte, trancafiados em baús em seu quarto, Dickinson inaugurou um novo estilo poético, aberto a muitas possibilidades de interpretação.

Para a performance, foram separados em meio à vasta obra de Emily Dickinson alguns poemas e cartas. As cartas trocadas por ela com outras pessoas servirão de esteio cronológico e biográfico, para tecer uma narrativa epistolar acerca da vida e da obra da poetisa. Venha se assombrar com a Arte de Dickinson.

Observação: não venha de branco. Faça sua pré-reserva para a leitura poética “Eu nunca lhe apareci de branco” dia 21 de janeiro (segunda-feira) às 20h no Gabinete Antes do Café (Rua 24 de Outubro, 566, Galeria Vila Maria, Cuiabá-MT). As cadeiras são limitadas. O valor do couvert artístico sugerido é R$20 reais. confirme sua reserva no telefone 65- 99261-9334.

Juliana Albernaz, sócia proprietária do Gabinete antes do café,   define a casa: “E um espaço de arte, café, música, poesia e chapéus”. O que dá charme e magia ao local complementa “e o cantinho do mundo, pois há história e estórias pra todo lado’’. Finaliza revelando o mistério da leveza e alegria do local “além da boa comida, shows intimistas  de jazz, blues, bossa, há uma galeria de arte com artistas do estado e de fora.”

A  galeria Vila Maria fica na  rua  24 de outubro, n. º 566.


Programação Tabuleiro da Pérola Negra 16/01 à 19/01/2020 - por Gilda Portella

 

O Que É Que O Tabuleiro Tem?

O Tabuleiro da Pérola Negra, surge como refúgio e respiro. Do Vinil, Jazz, blues e Samba, a ancestralidade grita naquela ambiência linda cheia de arte. 

 No Cardápio da Casa, pratos regionais e também africanos.

O horário de funcionamento é de quarta a domingo a partir das 18:00h até às 22:00h. 

Aos Sábados e Domingos, a casa serve café da manhã e o famoso tchá com bolo cuiabano a partir das -7:30 e estica até o meio dia com um delicioso quebra torto. 

A programação segue recheada de arte musical da melhor qualidade

16/01 Quinta do Vinil- com o melhor da MPB

17/01 Sexta de Drinks, Jazz e Blues com Allan House e Mississipi Jr.

18/01  Sabadou Samba! Com Mariana Borealis, Laércio Honorato e Matheus

19/01 Domingando com Palco Livre!!! 

O Tabuleiro da Pérola Negra fica na Rua Aroeira número 210 no Bairro Jardim gramado!

 


Quartajazz no Fuzuê Bar e Boemia / Caderno Cultura - Gilda Portella

Dia 8/1 - quarta feira as 19:30 h tem inicio a Quartajazz no Fuzuê Bar e Boemia.

O Fuzuê Bar e Boemia: é um bar novo que fica na Rua Governador Rondon, 737, Centro de Cuiabá (o bar é na Praça da Mandioca, uns 40 metros a frente do coreto, subindo a rua na direção da av. Mato Grosso) 

Quem dará o pontapé inicial nesse novo ciclo de sons é o quarteto formado: Pedro Oleare (guitarra), Igor Mariano (teclados), Thiago Costa (bateria) e Paulinho Nascimento (baixo acústico). No repertório, muita música brasileira e jazz. Vale a pena Conferir


Festas no Quilombo Mutuca - Cultura / Gilda Portella

Caderno Cultura I Gilda Portella

A ideia de escrever um livro sobre as mulheres do quilombo Ribeirão de Mutuca partiu das próprias quilombolas como forma de fechamento de um curso ministrado pelo Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte, GPEA, do Instituto de Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) entre os meses de agosto a novembro de 2016, em meio ao doutoramento de duas pesquisadoras: Giseli Dalla Nora e Rosana Manfrinate. O livro traduz as narrativas das mulheres sobre sua história, sua a memória coletiva, o aprendizado delas ao longo de sua vivência.  A comunidade é narrada pelos seus olhares, suas identidades, sua cultura, entremeados no livro pelas reflexões das teorias da Educação Ambiental e da Justiça Climática tecidas no GPEA.  Encontra-se neste estudo o que ser mulher no quilombo, sua relação com a natureza nas curas, orações, culinária e no calendário de festas da comunidade. Partilha de conhecimento e saberes, partilhas de sonhos e imaginário.  O livro apresenta uma partilha da academia e da comunidade quilombola. Todas as participantes do curso são autoras do livro, um total de 39 pessoas.

 As festas tem um planejamento, contendo sua preparação, como convidam as pessoas, como arrecadam os donativos e o desenvolvimento nos dias das festas, pois envolvem muitos convidados e onde todos recebem o convite para o próximo ano.  As mulheres quilombolas nos revelaram pela oralidade 18 festas ao longo dos 12 meses do ano, onde destacam com mais detalhes quatro festas para o livro.  As festas são motivos para vários estudos e o GPEA tem pesquisas como a realizada por uma das coordenadora do curso,  Lucia Shiguemi Isawa Kawahara, que mapeou em sua tese o calendário cíclico de festas em São Pedro de Joselândia que envolve todo o Distrito de mesmo nome, no município de Barão de Melgaço, Mato Grosso.  Com este estudo como guia, as mulheres de Mutuca foram relatando e escrevendo sobre as festas na comunidade que envolvem pessoas não só do Quilombo, mas de todo o município de Nossa Senhora do Livramento, de Poconé, de Várzea Grande, de Acorizal, de Rosário Oeste e de Cuiabá.  As festas durante o ano são, na sua maioria, religiosas, oriundas de promessa aos santos, mantidas pelas famílias em agradecimento à graça recebida. Tem rezas, cantorias, missas e em homenagem aos santos as danças do Cururu e do Siriri. 

Assim, uma dessas festas destacadas por elas no livro é a de São Benedito e de São Gonçalo, realizado na casa de Dona Maria Renata de Jesus,  que por ocasião do dia de São Gonçalo é comemorado em janeiro, sendo que 2020 estão convidando para o dia 26/01. É uma festa onde podemos conhecer o ser quilombola, os respeitos à ancestralidade, à gratidão divina e à natureza pela saúde e graças alcançadas.  Tem as tradicionais comidas do quilombo, bem como o cururu e a dança de São Gonçalo. É festa, é dádiva recebida, comemorado com graça e devoção, e alegrias.  É a comunidade negra abrindo sua casa para comemorar sua história.

O livro “As Fazedoras de Saberes: Diálogos das Mulheres Quilombolas do Mutuca com a Educação Ambiental, Gênero e Justiça Climática”, organizado pelas autoras do GPEA, Giseli Dalla Nora, Rosana Manfrinate, Denize Aparecida Rodrigues de Amorim, Cássia Fabiane dos Santos Souza, Lucia Shiguemi Isawa Kawahara e Michèle Sato, foi publicado pela Editora Appris.  Foi lançado pela primeira vez em agosto do ano passado no barracão da Associação da comunidade Ribeirão do Mutuca e em novembro do mesmo ano, na Roda de Conversa “Mulheres Negras Inspiram”, coordenado pelo Fórum de Mulheres Negras de Mato Grosso, em Cuiabá.  O exemplar pode ser adquirido por compra em vários sites de vendas na internet.  Incentivamos a Comunidade Quilombola Ribeirão do Mutuca ir descrevendo, fotografando, filmando, narrando cada uma de suas festas, sendo uma história contada por ela às novas gerações e para ser amplamente divulgada sua cultura e identidade.

Denize Aparecida Rodrigues de Amorim, doutorando em Educação, pela UFMT.


A Festa dos Santos Reis, tradição de Juscimeira.

Gilda Portella I Caderno Cultura

A Festa dos Santos Reis, tradição de Juscimeira.


Hoje é o dia de Santo Reis
Anda meio esquecido
Mas é o dia da festa
De Santo Reis
Hoje é o dia de Santo Reis
Anda meio esquisito
Mas é o dia da festa
De Santo Reis...
(Trecho da musica “A Festa do Santo Reis” de Tim Maia)
Eles chegam tocando, cantando, dançando e rezando ao som das flautas de
pífano, zabumba, pandeiros, triângulos, reco-reco e violão, e na mão a
bandeira da Folia dos Santos Reis, enfeitada de símbolos religiosos e fitas
coloridas. Eles vão levando cânticos de alegria e amor, orações musicadas,
danças em forma devoção e fé, as improvisações poéticas dão sabor e tom
performático para que devotos e foliões experimentem a força que os
revigorará na caminhada de onze dias celebrando o nascimento do menino
Jesus.
A riqueza das praticas e das representações culturais e religiosas demanda
que os foliões expressem suas sensibilidades devocionais com o corpo. O seu
corpo é a matéria viva que ora respira, ajoelha e levanta, ora emociona,
transpira, canta, dança e reza e assim estabelece relações com a comunidade,
com a identidade e a memória coletiva.
A festa popular folclórica de Juscimeira começa dia 26 de dezembro na
residência do Quincas, onde há uma lapinha (presépio), onde se reza o terço,
faz-se a louvação á Nossa Senhora Aparecida; tudo isso ao som de musicas
sagradas e ancestrais, os fogos de artifícios deixam a atmosfera mais
emocionante e contagia os corações. Os olhos dos foliões e devotos ficam
marejados de emoção e amor durante a cerimônia. O clima sagrado e profano
envolve a todos que irmanados em único sentimento de fraternidade e devoção
ao Santos Reis. Depois das orações é servido um jantar para todos os
presentes.
A festeira deste ano é Gisely F. de C. Mendonça, filha do folião e devoto
Joaquim Ferreira de Carvalho, o Quinca. O mestre Quinca acompanha a festa
de religiosidade e manifestações culturais, desde a infância. Já se vão quase
50 anos de dedicação a folia dos Santos Reis que se mantém viva em seus
costumes e crenças revelando a identidade cultural e a memória do seu povo.
A Bandeira com a Folia dos Santos Reis sai nos dias seguintes e percorre a
região entre as cidades de Dom Aquino e Juscimeira, visitando as residências
nos dois municípios. Marca a festividade os cânticos aos Santos Reis, o
recolhimento dos donativos geralmente gêneros alimentícios com o qual fará
um jantar no dia 06 de Janeiro no salão de festa das Obras kolping.
O jantar distribuído gratuitamente a todos os devotos e foliões que
comparecem pra ver a lapinha e rezar o terço. Logo a seguir é feito a coroação
do festeiro do ano seguinte. A festeira Gisely explica como funciona a coroação
da Folia de Santos Reis: “os próprios foliões escolhem o festeiro, se alguém
tem algum voto ou alcançou alguma graça também pode ser festeira. Sou
devota desde criança, tenho uma promessa com Santos Reis dou um jantar a

eles todos os anos inclusive é amanha o jantar na minha casa, moro em Santa
Elvira pertinho de Juscimeira”.
Tomei a liberdade de chamar de mestre Quinca porque vem ensinando sua
família e adeptos a dar continuidade ao ritual da folia de Santos Reis. Vi
crianças, jovens e membros da Comunidade Bom Jesus trocando experiências
ao se apresentar durante a missa domingueira da matriz de Juscimeira.
Estudiosos da cultura popular dizem que os foliões são especialistas populares
que reconstroem, readaptam, resignificam as representações, as apropriações
e praticas a dinâmica da vida na cidade. Manifestam a sua fé através de rituais
que incluem diversas expressões (musicais, performances e plásticas)
constituem-se assim um importante recurso da historia cultural, historia das
religiões, oral e do patrimônio imaterial brasileiro que deve ser salvaguardado
não só pelos órgãos oficiais (municipal, estadual ou federal) mas também pela
comunidade local, verdadeira detentora do saber e da qual depende a efetiva
pratica pela transmissão para as futuras gerações


Cine Teatro Cuiabá recebe mais de 50 mil pessoas em 2019

Um espaço de convivência que reúne diferentes manifestações artísticas e múltiplas linguagens culturais. Assim é o Cine Teatro Cuiabá, palco do cinema e das artes cênicas mato-grossense, que atrai plateias de todas as idades para sentir e pensar os espetáculos, filmes e debates realizados no espaço cultural.

Em 2019, o Cine Teatro Cuiabá alcançou mais de 50 mil pessoas, levando arte e cultura para o público que circulou nos 198 espetáculos de teatro, música e dança, realizados ao longo dos doze meses do ano. Além disso, foram 80 sessões de cinema exibidas e, vale lembrar, o espaço é um importante pólo de formação nas artes cênicas. No Cine Teatro Cuiabá, funciona a MT Escola de Teatro, que já está na terceira turma de alunos e formou 33 artistas no curso superior de tecnologia do teatro. Hoje, todos atuam profissionalmente nas áreas de teatro, cinema e televisão. 

“O Cine Teatro Cuiabá é um dos mais importantes equipamentos culturais do Estado e cumpre o papel de oferecer uma programação acessível e diversificada para a população. Outro diferencial é o fato de ser um espaço de ocupação e valorização dos artistas e grupos locais, que, cada vez mais, contam com o Cine Teatro para mostrar a sua arte para o público mato-grossense. Fechamos 2019 com todas as expectativas superadas”, comenta o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, Allan Kardec Benitez.

Caminhos da Cultura no Cine Teatro Cuiabá
Créditos: João Felipe | Secel

Nesse contexto, para relembrar a programação diversificada, podemos citar vários espetáculos promovidos ao longo do ano. O espaço foi palco de duas edições da Mostra de Cenas, com peças teatrais apresentadas pelos estudantes e artistas da MT Escola de Teatro. E recebeu o Festival de Cinema Tudo Sobre Mulheres, uma itinerância do Cine Caramelo – Festival de Cinema Infantojuvenil de Porto Alegre, e o Festival Minuto.

No espaço, houve um recorte do seminário do projeto Rumos Itaú Cultural, com apresentação do edital 2019/2020 para os artistas e produtores culturais de Mato Grosso. Shows nacionais como o de Roberta Campos, Rubel e Vanguart, além do Queen Reviving, animaram o público adulto. Para as crianças, os destaques foram a turma do Baby Shark, da Patrulha Canina e do Rei Leão. Houve também muito riso com as comédias de stand up.

Artistas e grupos regionais marcaram presença no palco, estrelando shows de música, dança e espetáculos teatrais. Entre eles, Vera Capilé, Ana Rafaela, Instituto Flauta Mágica, Nico e Lau, Billy Espíndola, Sarah Mitch, Eduardo Butakka, Thyago Mourão, Cena Onze, Theatro Fúria, Grupo Penumbra, Coro Experimental MT, Lucas Koester, Teatro Imagem, Cia Pessoal de Teatro, André D’Lucca, Coletivo Atro, Coletivo Cia de Teatro Porão, Amaury Tangará, Cia de Teatro Barata, Grupo de Siriri Flor do Campo, Caio Mattoso, Karola Nunes e muitos outros. Teve ainda apresentações de grupos haitianos no Festival Gospel Kreyòl, apresentação de capoeira, concurso de miss, exposições de artes visuais e lançamento álbuns e livros.

Abertura da Mostra de Cenas
Créditos: João Felipe | Secel

Em homenagem aos 300 anos de Cuiabá, o projeto Encontros com Cinema trouxe a Sessão Realizadores de Mato Grosso, com opções de filmes de produtores regionais. Também houve o Ciclo Hitchcock, que relembrou as principais obras do mestre do suspense, Alfred Hitchcock. Um dos marcos na programação do Encontros com Cinema foi a exibição do filme Bacurau, premiado e aclamado pela crítica e público. As sessões do longa de Kleber Mendonça Filho lotaram o palco principal do Cine Teatro Cuiabá, destacando-se por esgotar os ingressos enquanto ainda havia procura por lugares na plateia.

Outro projeto de cinema no espaço cultural foi a Mostra Vitrine, que, pelo terceiro ano, trouxe ao público mato-grossense produções de longa-metragem destaques e/ou premiados em diferentes festivais internacionais. Para o público infantil, o projeto A Escola Vai ao Cine Teatro ofereceu sessões de animações para estudantes e professores de escolas de Cuiabá e Várzea Grande.

A programação de 2019 foi encerrada neste mês. Segundo o diretor artístico do Cine Teatro Cuiabá, Flávio Ferreira, a equipe de gestão do espaço está aproveitando o fim de ano para fazer manutenções rotineiras e garantir um espaço com qualidade técnica para as apresentações dos artistas e conforto ao público. Porém, adianta que a agenda de 2020 está sendo montada e ainda em janeiro o Cine Teatro Cuiabá reabre as portas para a população.

Abertura da Mostra de Cenas
Créditos: João Felipe | Secel

“Para nós foi uma surpresa a quantidade de pessoas que se apresentaram no Cine Teatro em 2019. A partir do momento em que a gente vê essa grande procura pelos artistas e pelo público, todos os espaços tomados, o palco principal, a sala Anderson Flores, a biblioteca e a MT Escola de Teatro, ficamos emocionados de poder fazer parte dessa história. É gratificante saber que o público e a cultura regional estão ganhando nesse momento tão difícil para a cultura no país”, comentou Flávio.

Cine Teatro Cuiabá

Inaugurado em 23 de maio de 1942, o Cine Teatro Cuiabá faz parte da cultura e da história cuiabana. Construído em área central da cidade, na Avenida Getúlio Vargas, ao lado do antigo Grande Hotel, oportunizou grandes espetáculos cinematográficos e cênicos até fins da década de 60. Tornou-se patrimônio tombado em 1984, e foi desativado em 1997 por problemas administrativos e sanitários. Passou por reforma, restauro e revitalização, reabrindo as portas em 2009.

Além do palco principal, para 515 pessoas, conta com um espaço para espetáculos menores, a Sala Anderson Flores.  Há também a MT Escola de Teatro e a biblioteca com um acervo de 2.000 livros físicos e 1.200 obras virtuais.

O Cine Teatro Cuiabá é um equipamento cultural da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) que possui gestão compartilhada com a Associação Cultural Cena Onze, desde 2016.

Mayke Toscano - Secom/MT

Serviço:

Endereço: Avenida Getúlio Vargas, 247 - Centro, Cuiabá - MT, 78005-600. Telefone: (65) 2129-3848, email: contato@cineteatrocuiaba.org.br e site: http://cineteatrocuiaba.org.br/


Cultura com amor

Cultura com amor

A renomada e badalada artista plástica Gilda Portella acaba de aceitar convite feito pela equipe do jornal Veja Popular para assinar a coluna de cultura que leva seu nome. Historiadora suas telas sempre tem um fundo ligado a evolução e comportamento da sociedade num geral. Sua arte tende a apontar a evolução  e a  falta da mesma, mostrar o comportamento, as várias formas da fé e o ciclo da evolução do homem na terra. Muito dedica na arte de amar a arte recebeu o convite e agora é colunista de cultura no jornal que está de cara nova com uma nova roupagem para levar notícias e informações de qualidade aos seus leitores.  Com grande competência a artista agora vai nos encantar  também com as badalações culturais e divulgar a arte que é tão rica e vasta em nosso estado. Para acompanhar o trabalho e Gilda Portella acesse http://www.vejapopular.com.br/



Luau da Virada - Cultura por Gilda Portella


Cultura por Gilda Portella

Antes de 2020 ainda tem um super show com Wellington Berê, Ton Rock e Tocandira no Kartell em Cuiabá sexta 27/12 às 22 horas


Secel prorroga inscrições do Edital de Literatura

Prazo para escritores, artistas e produtores culturais inscreverem projetos no edital foi estendido para 10 de janeiro.

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) prorrogou o prazo de inscrições do edital Estevão de Mendonça de Literatura Mato-grossense. Agora, escritores, artistas e produtores culturais têm até 10 de janeiro para inscreverem suas obras e projetos literários de fomento à leitura no concurso. Ao todo, serão R$ 600 mil em investimentos.  

O secretário titular da Secel, Allan Kardec Benitez, explica que a prorrogação ocorreu para melhor atender aos municípios do interior. Em reunião da Comissão de Intergestores Bipartite (CIB), realizada nesta segunda (16.12), na Secel, gestores municipais trouxeram a demanda justificando a necessidade de mais tempo para que os escritores, artistas e produtores culturais residentes fora da capital possam finalizar os projetos com mais calma e consigam esclarecer todas as dúvidas referentes ao edital.

“Muitas prefeituras oferecem um apoio para artistas, escritores e produtores locais, esclarecendo dúvidas e ajudando na finalização das inscrições. Como o edital prevê que 60% das propostas premiadas sejam de municípios do interior, até para atender a esta premissa do edital, acatamos o pedido e entendemos que esta prorrogação não prejudica o processo. Acreditamos também que é mais uma oportunidade para aqueles que ainda não se inscreveram participem”.

Além disso, o secretário Allan ressaltou que, para garantir a igualdade de tratamento, a Secel incluiu um item de retificação. Neste caso, tendo em vista a mudança do cronograma, os proponentes dos projetos já inscritos poderão resgatar o processo na Secel para aprimorar a proposta, caso tenham interesse.

Com a alteração no prazo de inscrições, muda também o cronograma geral do edital. Assim, o resultado final será divulgado em 06 de março de 2020, e não mais em fevereiro, como estava previsto antes.

Ao todo, serão premiadas 30 obras, sendo 15 obras literárias distribuídas entre prosa, poesia, juvenil, infantil e revelação, e mais 15 projetos de fomento à leitura nas categorias contador de história, mediador de leitura, formação de mediadores e oficina literária. 

Para a inscrição, o candidato deverá enviar os documentos exigidos no edital via correio ou protocolar diretamente na sede da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), localizada em Cuiabá. A retificação sobre inscrições, e os demais documentos referentes ao edital estão publicados e disponíveis no site www.cultura.mt.gov.br/editais

Serviço:

A Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) está localizada na avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés), 510, bairro Duque de Caxias, Cuiabá-MT, CEP: 78043-300. O horário de funcionamento do protocolo é das 8h às 12h – 14h às 18h. Para mais informações sobre o edital: (65) 3613-9240/9230


Iniciativa da Secel leva dois mil estudantes a museus, igrejas, bibliotecas e teatro

Para crianças, jovens e adolescentes que estudam na rede pública estadual de ensino, o ano de 2019 será marcado por uma nova experiência, daquelas que a gente guarda na memória para contar ao longo da vida. Para a maior parte dos cerca de dois mil estudantes contemplados pelo projeto Caminhos da Cultura, foi inédito conhecer museus, igrejas históricas, biblioteca e teatro.

Quando Flaviana Martins, 14 anos, saiu de casa para mais um dia de rotina escolar e foi convidada a participar de um tour pelos museus, confessa que achou a ideia meio entediante. Mas foi surpreendida.

“Achava uma coisa chata. Mas neste primeiro contato, gostei dessa experiência com a arte e a história. Foi uma novidade, eu não tinha interesse e nem oportunidade. Depois de estar na galeria e no museu, eu e alguns colegas criamos um grupo de whats para combinarmos de ir em outros espaços”, revela a estudante da 8ª série da Escola Estadual Padre Antonio Panarotto, localizada no CPA IV.

No dia em que participou do Caminhos da Cultura, o grupo visitou a Galeria de Artes Lava Pés e o Museu de História Natural Casa Dom Aquino.

Flaviana, no Cine Teatro Cuiabá.
Créditos: João Felipe | Secel

O projeto Caminhos da Cultura consiste em promover a inclusão cultural de estudantes de escolas públicas e comunidades de Cuiabá e Várzea Grande, viabilizando a visitação a espaços que oferecem arte, cultura e história.

Nessa primeira fase, em dois meses de execução, foram contemplados estudantes e professores da rede pública estadual, além de 100 trabalhadores das empresas de transporte parceiras, que visitaram museus, galeria de arte, biblioteca, teatro, pontos turísticos e igrejas, todos localizados em Cuiabá.

“Quando se fala de falta em acesso, muitas vezes o pensamento comum é de cidades ou comunidades distantes. Pelo contrário, o Caminhos da Cultura mostrou que, por diversas razões, mesmo morando em Cuiabá e Várzea Grande, próximo aos principais equipamentos culturais do Estado, quase todos os alunos ainda não conheciam nenhum dos espaços incluídos no projeto. Não foi uma surpresa, pois sabemos da situação de vulnerabilidade presente em muitas famílias desses estudantes. Mas foi uma condição que nos sensibilizou e mostrou a importância desse projeto para garantir acesso à cultura e contribuir para a formação humana e cidadã dessas crianças, jovens e adolescentes”, destaca o secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), Allan Kardec.

Allan Kardec Benitez, secretário de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel)
Créditos: João Felipe | Secel

Morador do Pedra 90, Roberto Júnior Feitosa, 15 anos, conta que sempre teve curiosidade de conhecer o Museu de História Natural Casa Dom Aquino. Por meio do Caminhos da Cultura, ele, que estuda na Escola Estadual Rafael Rueda, foi presenteado com uma visita ao espaço, e de bônus veio o Museu de Arte Sacra. “Estar em dois lugares que trazem a história da formação de Cuiabá foi melhor do que eu imaginava”.

Proposta pedagógica

Elen Prates, que integra a equipe do Caminhos da Cultura representando a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), explica a importância do projeto para uma proposta pedagógica voltada a projetos de vida, e não apenas a formação educacional. Por isso, inicialmente, foram escolhidas para participar as escolas plenas, que funcionam em tempo integral, e têm um direcionamento neste sentido.

“Quando nos referimos a projetos de vida, pensamos no ser humano que queremos ser. Neste caso, o acesso à cultura é fundamental porque a arte é intrínseca ao ser humano, e apreciar a arte faz bem ao coração, faz diferença na vida desses estudantes. Além disso, quando levamos para sala de aula discussões a respeito da cultura, estamos trabalhando também o autoconhecimento, e a construção do pai, da mãe, do cidadão que queremos para esse mundo”, complementa Elen.

Elen Prates - Seduc
Créditos: João Felipe | Secel

Nesse sentido, ela explica que, para a proposta pedagógica, não era apenas uma aula de campo. “Os professores foram capacitados previamente, conheceram os espaços e planejaram a visita dos visitantes. Depois trabalharam o conteúdo em sala”.   

Por algumas vezes, por falta de interesse e preferência pela internet, Maria Eduarda Ramos, 14 anos, recusou o convite da mãe para ir ao teatro. Na escola, por outro lado, para fugir um pouco do dia-a-dia da sala de aula, ela e os amigos toparam participar do roteiro do Caminhos da Cultura. No dia, visitaram o Museu de Arte Sacra e a Igreja Matriz e a Igreja do Rosário e São Benedito.

“Saí da zona de conforto, e me surpreendi. Fizemos um resumo sobre a atividade, discutimos em sala. Se rolar outro convite, agora eu sempre irei”, comenta. Ela é estudante na Padre Antonio Panarotto, do CPA IV.

Maria Eduarda, no Cine Teatro Cuiabá.
Créditos: João Felipe | Secel

Encerramento do projeto em 2019

Para fechar as atividades do Caminhos da Cultura em 2019, a Secel reuniu as instituições e empresas parceiras para compartilhar os resultados da iniciativa, na tarde desta quarta-feira (04.12), no Cine Teatro Cuiabá. Na ocasião, além dos números expressivos apresentados pela coordenação do projeto, estudantes e professores de oito das dez escolas que participaram este ano também compareceram à cerimônia.

“Estou muito feliz com o resultado e parabenizo a todos os envolvidos na iniciativa. Agradeço, especialmente, às empresas de transporte parceiras, que possibilitaram a concretização desse projeto tão importante para a cultura do Estado. Para 2020, já temos 150 escolas cadastradas, e queremos retomar com mais força ainda”, afirma Allan Kardec.

Caminhos da Cultura no Cine Teatro Cuiabá
Créditos: João Felipe | Secel

Na ocasião, o coordenador financeiro da Associação Mato-Grossense dos Transportadores Urbanos (MTU), Sidnei Barros, destacou a importância da participação do projeto para as empresas.

“Foi muito gratificante e uma responsabilidade muito grande, pois foram mais de dois mil estudantes nas visitas aos equipamentos culturais. Mas tudo transcorreu tranquilamente, e os alunos foram muito colaborativos. A gente é que agradece pela nossa participação, por termos sido convidados para fazer o transporte dessas crianças e adolescentes”.

Para o ano que vem, ele complementou que há o interesse das empresas em manter a parceria e que já estão em discussão com a Secel e Seduc para ajustar os calendários e a execução do projeto em 2020.

O superintendente de Patrimônio Histórico e Cultural da Secel, Vicente Paulo, que coordena o Caminhos da Cultura, explica que o planejamento para o próximo ano é ampliar o projeto, de modo a atender maior quantidade de alunos e contemplar diferentes bairros de Cuiabá e Várzea Grande.

“Nós temos uma comissão, vamos nos reunir e fazer uma avaliação sobre o número de escolas cadastradas e nos organizar na distribuição das visitas. O projeto deve ser retomado logo após o início do ano letivo”.

Antony, no canto direito, com os amigos.
Créditos: João Felipe | Secel

Durante a cerimônia de encerramento das atividades em 2019, as escolas foram protagonistas, e puderam compartilhar com fotos e vídeos como foi a experiência para os estudantes e professores, e como isso impactou a vida deles. Um exemplo é Antony Aslley Santos, 18 anos. Ele conta que, mesmo tendo vontade de conhecer os espaços culturais, a distância do bairro onde mora, Pedra 90, do centro da cidade, sempre o desencorajou a conhecer os espaços culturais.

“Acabava que escolhia mais os lugares próximos ao bairro. Mas gostei muito da visita, vi coisas que nunca tinha visto antes, foi bem diferente do meu dia-a-dia”.

Outra participação especial foi a da Orquestra Primeira Ciranda, sob regência do maestro Murilo Alves, do Instituto Ciranda, que foi ovacionada pela plateia. O instituto Ciranda, que é Ponto de Cultura, trabalha com educação musical para crianças e adolescentes. Hoje são 800 estudantes que estudam e compõem as orquestras da organização.

Caminhos da Cultura no Cine Teatro Cuiabá
Créditos: João Felipe | Secel

Aproveitando as luzes, a plateia e o palco, a Trupe NP, composta por alunos da Escola Nilo Póvoas, encenaram uma peça de teatro que contextualizou a importância dos museus para contar as histórias dos povos. Na ocasião, foram escolhidos os grandes líderes negros, como Nelson Mandela, Zumbi de Palmares e Mãe Bonifácia.

A cerimônia contou também com a presença do gerente operacional da empresa Integração Transporte, Ricardo Lopes Teixeira, e da representante da Seduc no projeto, Elen Prates.

Caminhos da Cultura

Para garantir acesso e promover a inclusão cultural de estudantes e comunidades, o projeto Caminhos da Cultura promove a visita aos espaços culturais, oferecendo o transporte e o lanche para os alunos. Além disso, é executado dentro de uma proposta pedagógica, na qual professores são capacitados antecipadamente para acompanhar os alunos e aproveitar a experiência em conteúdo de ensino dentro de sala de aula. Nessa primeira fase, foram contempladas 10 escolas de Cuiabá e Várzea Grande que funcionam em tempo integral.

Entre os aparelhos culturais incluídos no roteiro estão Museu de Arte Sacra, Residência dos Governadores, Museu de História Natural Casa Dom Aquino, Galeria de Artes Lava Pés, Cine Teatro Cuiabá, Palácio da Instrução, Biblioteca Pública Estadual Estevão de Mendonça, Centro Cultural Casa Cuiabana, Museu da Imagem e do Som de Cuiabá (Misc) e Museu da Caixa D’água Velha. Numa segunda etapa, a proposta é ampliar para outros espaços como o Complexo Complexo Arena Pantanal, pontos de cultura como a Comunidade São Gonçalo Beira Rio e Memorial Rondon.  

Além dos estudantes, o projeto contempla também os trabalhadores das empresas de transporte parceiras, que cedem os ônibus. Aproveitando o trajeto, as empresas promoveram um projeto de educação dentro dos veículos. Foi criado um personagem, que entra no ônibus para mostrar aos estudantes as situações conflitantes que ocorrem no transporte coletivo.

Entre elas, o ator encena uma pessoa tentando entrar no veículo sem o cartão transporte, ou pedindo o de alguém emprestado. O personagem também apresenta outros exemplos, como ouvir música com volume alto, ficar parado na porta de saída, usar mochila nas costas atrapalhando a passagem dos demais usuários. Dessa forma, as empresas conseguiram, apresentando os exemplos de erros na conduta, ensinar sobre como agir corretamente e em prol do coletivo.

O projeto é uma iniciativa da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) executada em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), superintendência em Mato Grosso do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Associação Mato-Grossense dos Transportadores Urbanos (MTU), empresas Pantanal Transportes, Caribus Transportes, Integração Transportes, União Transportes e Viação Novo Horizonte, além das entidades gestoras dos equipamentos culturais da Secel e Prefeitura de Cuiabá.

Inscrições para 2020

As atividades de 2019 foram encerradas, mas estão abertas inscrições para as escolas  que quiserem participar do projeto em 2020. O formulário está disponível no site da Secel (cultura.mt.gov.br). Ou, para acessar direto, clique aqui.


Natal Cultural foi tema do último mutirão da Assembleia Social em 2019

O Natal está chegando e o clima é de solidariedade, afetividade e alegria! E, por este motivo, o último mutirão da Assembleia Social em 2019 foi todo especial: com o tema Natal Cultural levou atividades artísticas e lúdicas para os pequeninos da Creche Cisne Azul, na comunidade de ribeirinhos Lixá, em Santo Antônio do Leverger, na última sexta-feira (29).

A programação voltada para a creche da região periférica contou com músicas do Projeto Creonças (com Paulo Monarco e Henrique Santian), com leitura dramatizada de poesias, do Projeto Voz Pelo Cano (Coletivo Coma A Fronteira), cachorro quente, suco e brinquedos – que não podem faltar em nenhuma festinha para crianças de 2 a 5 anos, ainda mais com temática natalina!

O Projeto Creonças consiste em aproximar de forma lúdica as crianças dos animais, por meio da musicalização, de forma a despertar a consciência ambiental. O Projeto Voz Pelo Cano, por sua vez, apresenta poesia através de canos de PVC e “fones de ouvido” elaborados com desentupidor de pia, para inserir os pequenos no universo literário por meio da audição.

“[Esta ação de hoje] foi um dengo [nas crianças]. Os dois projetos são muito sensíveis, literários, voltados para cultura local... E a gente queria crianças que, de fato, acolhessem os projetos. E quando a gente viu que essas crianças dançam siriri, fazem teatro, eu pensei: são estas! Justamente aquelas que talvez não consigam chegar à Cuiabá para ver trabalhos como esses”, comemorou a diretora da Assembleia Social e do Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, Daniella Paula Oliveira.

O professor Rafael da Silva Melo enalteceu a atividade, pois avalia serem necessárias atividades lúdicas para o desenvolvimento dos alunos, mas que tal demanda é aplicada com grande dificuldade, por falta de estrutura na unidade escolar. “Como produzir encanto apenas com cadeira e quadro negro?”, questiona, prevendo o resultado do Natal Cultural: “veio propiciar às crianças viver o encanto, algo que não é comum na rotina delas”.

A diretora da escola, Adilza Arruda, agradeceu a parceria com a Assembleia Social, ressalvando ser uma grande oportunidade, já que não teriam condições de oferecer uma confraternização de fim de ano para os alunos, em função dos poucos recursos financeiros. “Mas que maravilha que a Assembleia teve este olhar para engrandecer a nossa comunidade escolar”, completou.

Essa foi a 11ª edição do Mutirão da Assembleia Social de 2019 – especial Natal Cultural – e última do ano. A proposta do braço social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso é aumentar a oferta de ações de cultura, de cidadania e de bem-estar em 2020.


3ª Edição do Festival Kwanzaa marca celebração do Dia da Consciência Negra

Um evento de celebração de um povo que busca resgatar sua origem, exaltando as conquistas por meio do teatro, da dança, da música e da poesia. Foi dessa forma que o dia Nacional da Consciência Negra foi comemorado na noite desta quinta-feira (20). No Museu do Rio, o público foi presenteado com diversas apresentações culturais na 3ª Edição do Festival Kwanzaa.

Apresentações musicais, danças como africanas, o siriri, o cururu, teatros, exposição de roupas, acessórios e penteados afros foram alguns dos atrativos da celebração. O evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo e totalmente gratuito.

“A Prefeitura de Cuiabá, nessa gestão humanizada do prefeito Emanuel Pinheiro, vem trabalhando para oportunizar que essas manifestações culturais se apresentem e mostrem que o Município tem muita coisa bonita. Eventos como esse são excelências alternativas de valorização da cultura regional”, disse o secretário de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo.

Na oportunidade, o secretário-adjunto Justino Astrevo destacou ainda que o festival, além de demonstrar a arte por meio das apresentações, proporciona uma comemoração do dia 20 de novembro com mais tolerância e uma cultura de paz. “O poder público tem como missão motivar, incentivar essa cultura de paz e tudo isso começa no respeito à diferença e a diversidade. É esse principal objetivo do Festival Kwanzaa”, disse.

Do swahili, língua banto com maior número de falantes no continente africano, “Matunda ya Kwanza” é a celebração dos “Primeiros Frutos”, que se refere a memória africana da colheita, ritual de grande importância ancestral na construção identitária dos povos africanos. Assim, Kwanzaa nasce recriando o vínculo entre afrodescendentes e suas raízes.

“É importante marcar a data para que o movimento se solidifique, cresça e ganhe cada vez mais espaço em Cuiabá. Porque a celebração do Dia da Consciência Negra é na verdade todo um mês de eventos que se inicia na Lavagem das Escadarias, que promove a tolerância religiosa e que este ano, vai culminar com um evento no MISC. Para a Secretaria de Cultura é importante que haja esta inclusão das manifestações da cultura afro nos eventos do Município e é para isso que trabalhamos”, concluiu o secretário-adjunto.


Mostra coletiva “Olhares Cuyaverá” exibe 300 pontos de vista sobre Cuiabá

A abertura da mostra fotográfica está marcada para esta segunda-feira (25.11) e segue em cartaz até final de janeiro com entrada franca, na Galeria Lava Pés

Reservada para a última exposição da Temporada 2019 da Galeria Lava Pés, a mostra coletiva “Olhares Cuyaverá” estreia na próxima segunda-feira (25.11) com uma seleção de 300 fotografias que reverenciam a capital mato-grossense no ano de seu tricentenário.  

Ao todo, 130 fotógrafos exibem seus olhares sobre a cidade de Cuiabá. São ângulos e estilos diversos que evidenciam mudanças e transformações pela qual a capital vem passando na última década.  

“É a primeira vez que teremos uma mostra com tantos participantes. A fotografia é a arte de desenhar com luz e registrar um determinado tempo e espaço. Cuiabá mudou muito nos últimos dez anos e isso fica evidente na mostra. Mas o mais interessante é perceber a diversidade de olhares, uma verdadeira prova de amor a Cuiabá”, adianta Ádia Borges, organizadora da mostra.

Mayke Toscano

Com entrada franca, a mostra fotográfica “Olhares Cuyaverá”, que segue em cartaz até o final do mês de janeiro, marca um ano de muitas realizações da Galeria Lava Pés. Em 2019, em quatro diferentes exposições, o público pode apreciar importantes obras de artistas mato-grossenses, entre telas, esculturas e instalações, além de fotografias e uma exposição de circulação internacional, “Egito sob o olhar de Napoleão”.

“Estamos muito felizes com as atividades da Galeria Lava Pés. Tivemos importantes exposições que contemplaram artistas da capital e do interior, abrangendo diversas linguagens e manifestações artísticas, além de uma respeitada exposição do Itaú Cultural. Estamos no caminho certo e a Temporada 2020 será ainda mais produtiva”, comemora Allan Kardec, secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso.  

Oficinas

Além da mostra, que segue em cartaz até o dia 24 de janeiro, uma parceria entre a Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e a Associação Casa do Centro, serão oferecidas ao público interessado, oficinas de fotografias e palestras.

Ainda sem data definida para janeiro, as atividades trarão palestras sobre olhares fotográficos e aprimoramento de portfólio com José Medeiros, Nair Benedicto e Kiko Pacheco.

As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas pela página da Maratona Fotográfica no Facebook (www.facebook.com/maratonafotograficacuiaba/ ) ou pelo telefone disponível no serviço abaixo.

Maratona Fotográfica

As 300 fotografias selecionadas para a mostra coletiva “Olhares Cuyaverá” são oriundas do projeto Maratona Fotográfica de Cuiabá, projeto idealizado pelo fotografo José Medeiros em 2013.

Ao longo de seis edições da Maratona Fotográfica, 130 fotógrafos, amadores e profissionais, tiveram suas fotos selecionadas. Em 2019, a seleção dessas imagens ganha uma mostra inédita na Galeria Lava Pés.

Divulgação

A difícil tarefa de selecionar as imagens que integram a mostra ficou a cargo de uma curadoria da pesada: Juvenal Pereira e Walter Firmo, Nair Benedicto, Ângela Magalhães e Nadja Fonseca Peregrino, Guy Veloso e Fatinha Silva, Aline Figueiredo e Humberto Espíndola, Eraldo Peres, Raimundo Paccó e Rubens Valente assinaram a curadoria e os textos críticos.

Novo concurso

E a Maratona Fotográfica não para! A partir do dia 1° de dezembro, estarão abertas inscrições para a próxima exposição a ser realizada em 2020. O tema continua sendo “Cuiabá 300” e as inscrições são gratuitas.

Bem como as inscrições para as oficinas de janeiro, o novo concurso receberá as fotos para análise pela página no FaceBook (www.facebook.com/maratonafotograficacuiaba/ ). Lá também tem o regulamento. Boa sorte!  

Serviço

Tema: Mostra coletiva Olhares Cuyaverá

Quando: De segunda-feira à sexta-feira, em cartaz até dia 24 de janeiro

Horário: Sempre das 8h às 18h

Onde: A Galeria de Artes Lava Pés está localizada no piso térreo da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), na Avenida José Monteiro de Figueiredo (Lava Pés) nº 510, bairro Duque de Caxias, em Cuiabá.

Informações e Inscrições: (65) 98114-0315


"Sarau Reencontro" reúne autoridades que marcaram a história política de Mato Grosso

Final de tarde em Cuiabá pede sempre o clássico tchá cô bolo. A propósito, nesta quinta-feira (21.11), a partir das 17h, o Museu Residência dos Governadores receberá o "Sarau Reencontro", uma confraternização que promete reunir autoridades que marcaram a história política do Estado de Mato Grosso.

“O objetivo é o reencontro de ex-governadores, pessoas públicas e representantes das famílias de autoridades políticas, além de empresários, para relembrar histórias que ocorreram na nossa política, num clima amistoso, regado a bolo de arroz, chá e muita música”, explica Vicente Paulo, superintendente de Patrimônio Histórico e Cultural da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer.

O encontro, ou melhor, reencontro, também tem a finalidade de lançar algumas propostas de investimento na área da cultura via pessoa física com descontos de imposto de renda, à exemplo.

“Nos EUA e na Europa isso é muito comum. Pessoas com condições e sensíveis a causa da cultura investem via doações. Queremos lançar propostas de investimento para melhorias dos aparelhos culturais do Estado como bibliotecas, galerias de arte e museus. ”, detalha. 

Na programação estão o Coro Experimental MT cantando clássicos do rasqueado cuiabano e alguns depoimentos de autoridades do passado e da atualidade, contando causos e curiosidades da história política do Estado.

“Já temos algumas autoridades confirmadas e parentes de ex-governadores que veem de Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. Será mesmo um encontro inesquecível”, conclui Vicente.

Museu Residência dos Governadores

Durante 45 anos, a Residência dos Governadores abrigou 14 dirigentes do Estado e suas famílias. Atualmente tem funcionalidade museológica, mais um equipamento cultural que expões de forma permanente e didática itens do antigo mobiliário, pratarias, louças, entre outros objetos antigos, aberta de segunda-feira a sexta-feira, sempre das 10h às 17h.

A Residência dos Governadores está localizada no Centro Histórico de Cuiabá e é considerada um importante espaço para a sociedade cuiabana pelo seu valor histórico e arquitetônico. Inaugurado em 1940, o projeto do prédio tem estilo neocolonial de matriz norte-americana, chamado às vezes de estilo “mission”, baseado nas antigas missões espanholas da Califórnia.

Serviço

Assunto: Sarau Reencontro

Quando: Quinta-feira, 21 de novembro às 17h

O Museu Residência do Governadores está localizado na Rua Barão de Melgaço, 3565 - Centro Norte de Cuiabá e é um aparelho museológicos geridos pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer, aberto de segunda-feira a sexta-feira, das 10h às 17h. Informações: (65) 3613-0225/0209.


Página 1 / 5

Próximo »

Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.