21 de outubro de 2020 - 06:53

Polícia

07/10/2020 14:50

Investigados por fraudes no DPVAT ostentam fichas criminais; veja 9 alvos

Dentre as 9 pessoas que foram alvos do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) na Operação Apate, que investiga uma quadrilha especializada em fraudes contra a Seguradora Líder, administradora do seguro DPVAT (Danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre) em Mato Grosso, estão 2 homens que ostentam fichas criminais com várias passagens policiais. Trata-se de Mauro de Campos Pereira e de Gesivaldo da Silva Santos, ex-presidiário também envolvido num crime de roubo a mão armada.

Nas diligências efetuadas na manhã desta quarta-feira (7), o Gaeco cumpriu sete mandados de prisão e dois para colocação de tornozeleira eletrônica, todos expedidos pela juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá. No total, foram 34 ordens judiciais, sendo 25 para buscas e apreensões em endereços ligados aos suspeitos. Um dos mandados foi cumprido Condomínio Belvedere, empreendimento de luxo em Cuiabá. Confira os nomes dos 9 alvos no final da matéria.

Segundo o Gaeco, a organização criminosa especializou-se em fraudes documentais sofisticadas como falsificações de documentos públicos de certidões de nascimento, casamento e óbito, de laudos de exames necroscópicos, boletins de ocorrências e outros documentos que instruíam os requerimentos indenizatórios, encaminhados à Seguradora Líder. O suposto líder da organização criminosa é ex-policial militar e ostenta vasta ficha de antecedentes criminais.

Ao consultar alguns processos disponíveis no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e constatou que existem vários inquéritos policiais instaurados contra o investigado Mauro de Campos Pereira. São investigações instauradas nos anos de 2014, 2015 e 2018, nas quais ele foi indiciado por crimes de estelionato (artigo 171), falsificação de documentos públicos e particulares (artigos 297 e 298) e também por falsidade ideológica (artigo 299), todos do Código Penal Brasileiro.

Em todos os inquéritos, a Seguradora Líder dos Seguros DPVAT aparece como vítima, além de outras pessoas que também foram vítimas do criminoso. Contra o suspeito Gesivaldo da Silva Santos, a reportagem também constatou um inquérito policial de 2015 que tramita na 3ª Vara Criminal de Cuiabá sob o juiz Wladymir Perri, onde ele é investigado pelos mesmos crimes junto com Mauro de Campos Pereira, tendo a Seguradora Líder-DPVAT como uma das vítimas.

Gesivaldo também foi preso em flagrante no dia 24 de janeiro de 2007 pelo crime de roubo a mão armada. Em 30 de maio daquele ano o Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu um habeas corpus para colocá-lo em liberdade. Naquela ocasião, os desembargadores da 2ª Câmara Criminal concederam o HC por unanimidade, acolhendo argumentos formulados pela defesa que alegava “constrangimento ilegal”  por excesso de prazo na formação de culpa. Na época Gesivaldo estava preso há 105 dias sem que fosse designada pela juíza da 2ª Vara Criminal de Várzea Grande, uma data para a realização da audiência de oitiva das testemunhas arroladas pelo Ministério Público Estadual.

CONFIRA NOMES DOS ALVOS

Mauro de Campos Pereira

Stephani Pires Pereira

Gesivaldo da Silva Santos

Alessandra Leal do Nascimento

Marinete Silva Leal

Claudinei Rodrigues da Silva

Gleicimar de Siqueira Oliveira

Josefa Oliveira de Souza

Darlene de Souza Vasconcellos


Telefone para contato

(65) 3358-5258

© copyright 2018 Todos os direitos reservados.